segunda-feira, 28 de novembro de 2016

Curiosidades sobre grandes ícones do cinema

Confira abaixo alguns fatos inusitados e curiosos sobre grandes nomes do cinema:

1- Ann Miller era bastante ligada ao espiritualismo e acreditava ser a reencarnação de Hatshepsut, uma antiga rainha egípcia. Segundo ela, sua vida anterior era a causa de sua dificuldade em manter relacionamentos.


2- Jack Nicholson cresceu como filho e John e Ethel May Nicholson, mas apenas aos 37 anos, em 1974, descobriu através de um jornalista da Time que estava escrevendo sobre sua vida, que seus pais, na verdade, eram seus avós, e que sua mãe biológica era sua irmã mais velha, June Frances Nicholson. Há dúvidas quanto sua paternidade, mas acredita-se que seu pai possa ser Donald Furcillo, um homem casado com quem June havia se envolvido, ou Eddie King, empresário da jovem na época. Jack nunca quis fazer o teste de DNA, e na ocasião da descoberta tanto June quanto Ethel já haviam falecido.


3- Mesmo com sua fama de 'loira burra', Jayne Mansfield falava cinco idiomas. Além do inglês, ela era fluente em espanhol, francês, alemão e italiano. 


4- Veronica Lake era famosa por suas belas madeixas, influenciando o estilo de muitas mulheres durante a década de 40. O sucesso foi tanto, que a atriz teve de fazer propagandas na época da Guerra alertando sobre os perigos de manter os cabelos soltos durante o período de trabalho nas fábricas. Foram feitas campanhas de conscientização sugerindo que as trabalhadoras prendessem seus cabelos para evitar que eles prendessem nas máquinas. Assista uma das propagandas aqui. Abaixo uma foto feita para a campanha, onde a atriz aparece com seu cabelo enrolado em uma máquina e uma expressão de dor.


5- A famosa foto de Betty Gable de costas olhando para trás, vestida com roupa de banho, se tornou icônica e transformou a atriz em uma das pin ups mais queridas durante a Segunda Guerra. A pose foi escolhida porque Betty estava grávida na época e uma foto tirada de frente, naquele traje, seria considerada de mau gosto.


6-  Romilda Villani, mãe de Sophia Loren, venceu um concurso de sósias de Greta Garbo, em 1932. Outra curiosidade sobre as duas é o fato de Sophia ter interpretado a própria mãe em duas ocasiões, nas minisséries: 'Sophia Loren: Her Own Story' (1980) e La mia casa è piena di specchi (2010), biografia de sua irmã Maria. Saiba mais aqui


7- David Bowie sofreu uma lesão grave na escola em 1962, quando seu amigo George Underwood lhe deu um soco no olho esquerdo durante uma briga por uma menina. Os médicos temiam que ele ficasse cego daquele olho. Depois de uma série de operações durante uma hospitalização de quatro meses, os médicos concluíram que o dano não poderia ser totalmente reparado e Bowie ficou com a percepção de profundidade deficiente e a pupila permanentemente dilatada. Apesar do acontecido, Underwood e Bowie continuaram bons amigos, e Underwood passou a criar a arte dos primeiros álbuns de Bowie.


8-  Protagonista favorito de Alfred Hitchcock, Cary Grant nunca interpretou nenhum vilão durante toda a sua carreira. Foi justamente em um filme do diretor que viveu seu personagem mais sombrio, o ambíguo Johnnie Aysgarth em Suspeita (1941). Apesar de originalmente ser o antagonista do longa, os chefões do estúdio exigiram que a imagem de Cary Grant como mocinho não fosse alterada, temendo que o interesse do público pelo ator diminuísse. Embora tenha atuado em diversas comédias, mostrando seu talento para o humor, Cary tem sua imagem associada principalmente ao seu porte atlético e elegante, sempre atuando como galã, sendo inclusive a inspiração de Ian Fleming ao criar o célebre agente britânico 007, insistindo para que fosse ele o intérprete de James Bond no cinema, no primeiro longa da franquia, '007 Contra o Satânico Dr No', em 1962. Grant recusou, alegando ser muito velho para o papel. Apesar de todo o glamour em torno de sua figura, o ator afirmou certa vez que o personagem com quem mais se identificava era o rabugento Walter Eckland, protagonista de Papai Ganso, de 1964 (Veja a resenha).
 

9- Você já deve ter lido em diversos lugares que certa vez, ao ser questionada sobre quais eram seus segredos de beleza, Audrey Hepburn teria respondido: 'Para ter lábios atraentes, diga palavras doces. Para ter olhos belos, procure ver o lado bom das pessoas. Para ter o corpo esguio, divida sua comida com os famintos. Para ter cabelos bonitos, deixe uma  criança passar seus dedos por eles pelo menos uma vez ao dia. Para ter boa postura caminhe com a certeza de que nunca andará sozinha.' Porém, uma das mais famosas citações na atriz não passa de um erro. O poema intitulado 'Time Tested Beauty Tips' foi escrito por Sam Levenson para a sua neta, e era um dos favoritos de Audrey, que supostamente o teria recitado em seu último Natal.


10- Marilyn Monroe costumava utilizar o pseudônimo Zelda Zonk para se hospedar em hotéis ou comprar passagens de avião quando queria sair incógnita e fugir da imprensa. O visual de 'Zelda' incluía uma peruca morena, lenços na cabeça e óculos escuros. Abaixo, uma foto rara da atriz utilizando o disfarce (via):


11- Stewart Granger foi originalmente batizado como James Lablache Stewart. No entanto, para evitar ser confundido com seu colega de profissão, James Stewart, ele optou por utilizar o nome artístico pelo qual ficou conhecido, embora continuasse sendo chamado de Jimmy pela maioria de seus amigos e familiares.


12- Embora Grace Kelly seja a atriz mais conhecida a ter entrado para a Família Real, ao casar-se com o Príncipe Rainier de Mônaco. foi Rita Hayworth a primeira princesa de Hollywood. A ruiva subiu ao altar com o Príncipe Ali Khan em 1949, mas divorciaram-se em 1953.


13- Durante as gravações do filme A Grande Promessa (The Green Promise, 1949), Natalie Wood sofreu um acidente, caindo num rio e quase se afogando. Além do susto, a atriz fraturou o pulso e não teve atendimento adequado, pois sua mãe, que queria a todo custo a fama da filha, ficou com medo que ela perdesse o papel se tivesse que ser hospitalizada. Como resultado, o pulso de Natalie jamais voltou ao normal, ganhando um aspecto ligeiramente deformado, que ela tentava esconder constantemente com o uso de braceletes, fazendo questão de usa-los em suas aparições públicas e nos longas que estrelava. Outro trauma acarretado pelo acidente foi o pavor de morrer afogada. Muitos anos antes, sua mãe havia consultado uma cigana, que lhe disse que sua segunda filha seria uma mulher de grande beleza que, no entanto, deveria tomar cuidado com águas escuras. A previsão, aliada ao quase afogamento na infância fizeram com que ela desenvolvesse pânico de entrar na água, resistindo a tentativas para que ela aprendesse a nadar. Infelizmente, seu maior medo tornou-se realidade em 1981, quando a atriz foi encontrada morta em circunstâncias misteriosas após afogar-se durante um passeio de barco, como você pode ler melhor aqui.


14- James Stewart e Henry Fonda se conheceram ainda jovens, na década de 30 e, inicialmente, travaram uma discussão sobre política: Stewart era um republicano conservador, enquanto Fonda era um democrata liberal. Apesar do início conturbado, eles tornaram-se melhores amigos, permanecendo próximos por toda a vida. Quando Henry Fonda mudou-se para Hollywood, James Stewart resolveu seguir seus passos, e os dois chegaram a dividir um apartamento no início de suas carreiras, além de ganharem a reputação de playboys e conquistadores. Costumavam sair em encontros duplos com as atrizes Ginger Rogers (Acompanhante de Jimmy) e Lucille Ball (Acompanhante de Henry).


15- No dia 23 de setembro de 1955, James Dean apresentou-se ao ator Alec Guinness, mostrando orgulhoso o seu novo carro, um Porsche Spyder que ele chamava de Little Bastard. Guinness imediatamente teve um pressentimento ruim sobre o veículo, aconselhando Dean a se desfazer dele rapidamente, alegando que se continuasse com o carro seria encontrado morto na próxima semana. O jovem, que era um apaixonado por motores e por velocidade, não lhe deu ouvido. Coincidência ou não, James Dean morreu exatamente uma semana depois do encontro. Veja uma entrevista de Alec Guinness contando sobre o ocorrido aqui.


16- Humphrey Bogart era um excelente jogador de xadrez. Antes de sua carreira como ator, desafiava jogadores profissionais em lojas e ganhava a maioria das partidas que disputava, tornando-se ele mesmo um jogador profissional a ser desafiado algum tempo depois. Também chegou a jogar por correspondência durante a Segunda Guerra Mundial. Em Casablanca (1942), as cenas em que seu personagem aparece jogando xadrez foram ideia do próprio ator, não constando no roteiro original. Bogart jogou contra os enxadristas Samuel Reshevsky, em 1955, conseguindo um empate, e contra George Koltanowski, em 1952, no qual acabou derrotado pelo profissional (foto abaixo). Koltanowski jogou sem olhar para o tabuleiro e venceu em 41 movimentos Participava da Federação de Xadrez dos Estados Unidos e da Associação de Xadrez do Estado da Califórnia, além de ser visitante frequente do Hollywood Chess Club.


17- Fred Astaire costumava usar gravatas amarradas na cintura no lugar de cintos. Esta excentricidade foi adquirida por influência de sua amizade com Douglas Fairbanks.

Astaire ao lado de Bing Crosby

18- Durante seu casamento com Frank Sinatra, o ator e cantor estava passando por uma péssima fase em sua carreira, além de uma grande dificuldade financeira, fazendo com que Ava Gardner, em seu auge, tivesse que custear a maioria das despesas do casal, chegando a emprestar dinheiro para que o marido comprasse presentes para os filhos. Durante as gravações de Mogambo, na África, em 1952, o apaixonado casal não quis ficar separado. Para acompanhar a esposa, estrela do filme ao lado Clark Gable e Grace Kelly, Sinatra precisou mais uma vez da ajuda de Ava, que pagou sua passagem de avião. As coisas mudaram quando ele conseguiu um papel no clássico A Um Passo da Eternidade (1953) e foi premiado com o Oscar de Melhor Ator Coadjuvante. Segundo as más línguas, a icônica cena de O Poderoso Chefão, tanto no livro quanto no filme, em que um manda-chuva do estúdio encontra a cabeça de seu cavalo na cama em que dormia como ameaça para que desse um papel ao pupilo de Don Corleone foi inspirada na forma como Frank Sinatra conseguiu se reerguer em sua carreira, já que possuía relação com a máfia. 


19- Muito próximo do casal Sharon Tate e Roman Polanski, Steve McQueen foi convidado para a festa dada por Sharon em sua casa, e que acabou terminando no trágico assassinato da atriz e de seus amigos. Devido a uma série de imprevistos, o ator acabou não comparecendo. Com a prisão de Charles Manson e seus seguidores, foi descoberto que a lista de alvos do grupo incluía o próprio McQueen, como um dos principais nomes de interesse de Manson, além do casal Elizabeth Taylor e Richard Burton e dos cantores Tom Jones e Frank Sinatra. Após a assustadora revelação, Steve McQueen nunca mais saiu sem sua arma.


20- Carole Lombard possuía três pequenas cicatrizes em seu rosto, decorrentes de um acidente automobilístico sofrido em 1926. Na época, acreditava-se que a anestesia piorava as marcas na pele, por isso a atriz enfrentou a cirurgia para diminuir os danos sem nenhum tipo de sedativo ou anestésico. As cicatrizes, uma perto do lábio, uma na sobrancelha e uma na bochecha esquerda, eram encobertas por maquiagem e técnicas de iluminação e enquadramento nos longas, além de serem disfarçadas em fotos de estúdio. 


21- Apesar de sempre ter amado os animais, foi em 1956, durante as filmagens de O Homem Que Sabia Demais, dirigido por Alfred Hitchcock, que Doris Day decidiu dedicar-se aos bichos. Em sua estada em Marrakesh, uma das locações do longa, a atriz ficou mortificada com o tratamento dado aos animais, que chegavam a ficar sem comida, água e qualquer tipo de higiene. Doris se recusou a participar de cenas com animais, a menos que eles fossem devidamente alimentados e bem cuidados. Ela criou em 1976, uma instituição para ajudar os animais, chamada Doris Day Animal Foundation (DDAF), que existe até hoje, aceitando doações e vendendo itens como calendários, para financiar o projeto. Clique aqui para ir para o site e aqui para a página no facebook da organização.


22- Bette Davis publicou um anúncio no The Hollywood Reporter no dia 21 de setembro de 1962, em que dizia ser uma atriz com experiência de 30 anos procurando emprego em Hollywood. Embora sua carreira já não estivesse no auge como nas décadas de 30 e 40, ela estava gravando 'O Que Terá Acontecido a Baby Jane?', um de seus maiores sucessos, além de estrelar nos palcos a peça A Noite do Iguana. Apesar do mito de que a atriz realmente tenha publicado o anúncio como forma de encontrar trabalho, e que foi desta forma que conseguiu ser escalada como Baby Jane, a publicação no jornal não passou de uma ironia de Bette, que buscava de certa maneira protestar e utilizar seu sarcasmo contra os estúdios e as dificuldades das atrizes veteranas de conseguirem bons papéis, já que mais importava aos chefões a juventude e beleza do que o talento. Vale a pena ler também a matéria do blog Cinefilia, de onde a foto abaixo foi retirada.


23- Quem também já enviou uma publicação foi Paul Newman. Após sua estreia no filme O Cálice Sagrado, ao lado de Pier Angeli, em 1954, o ator odiou tanto sua performance que mandou um anúncio para a Variety pedindo desculpas por sua atuação. Ele acabou sendo 'premiado' com o Golden Turkey Award como a estreia mais embaraçosa de todos os tempos, e respondeu que estava de acordo com o título recebido. Outro fato engraçado sobre Newman, é que ele, que nunca ficou muito animado com o assédio dos fãs, decidiu parar de distribuir autógrafos quando um homem lhe abordou em um mictório no banheiro de um restaurante.


24- Mesmo sendo uma estrela do rádio, Hattie McDaniel precisava trabalhar como empregada doméstica e cozinheira para conseguir se sustentar. Primeira atriz negra a ganhar um Oscar, por seu papel em E o Vento Levou, em 1940, Hattie apareceu em mais de 90 filmes, a maioria não creditada, em que interpretada, em sua maioria, empregadas domésticas, fato pelo qual foi muito criticada pela NAACP (National Association for the Advancement of Colored People). Ela rebateu as acusações dizendo orgulhosamente que trabalhou não só por ela mais pelas futuras gerações de atores negros, esperando que as pessoas percebessem todas as dificuldades sofridas em Hollywood. Certa vez, também declarou: "Por que devo reclamar enquanto ganho 700 doláres por semana sendo uma empregada nas telas? Se não fosse uma nas telas, ganharia sete dólares por semana sendo uma de verdade." Leia mais.
Nota: Embora não seja demérito algum como profissão, sabemos que empregadas domésticas ganham pouco e trabalham muito, frequentemente tendo que lidar com caprichos de seus patrões. E como atriz, interpretar apenas uma personagem por conta de sua raça, seja a profissão qual for, é algo que limita a capacidade de atuação até da pessoa mais talentosa.


25- Clark Gable tinha dislexia, no entanto o problema não impediu que ele se tornasse um leitor voraz. Apesar de constantemente estar na companhia dos livros nos intervalos das gravações, o ator preferia não ser fotografado lendo pois receava que isso manchasse sua imagem de galã másculo. Além disso, seu maior sucesso, E o Vento Levou, era um dos filmes que ele menos gostou de fazer, pois segundo ele era uma história para mulheres.


segunda-feira, 21 de novembro de 2016

Lua de Mel Agitada (The Long, Long Trailer, 1953)


Se minha resenha contivesse apenas as informações de que o filme é estrelado por Lucille Ball e Desi Arnaz, com a direção de ninguém menos que Vincent Minnelli, já seria motivo suficiente para correr e assistir, com a certeza de que a diversão está garantida.


Lançada na carona do enorme sucesso da série I Love Lucy, também protagonizada pelo casal, a comédia Lua de Mel Agitada foge do estilo datado de muitos longas dos anos 50, que percebemos hoje em dia o quanto envelheceram mal, e ainda consegue arrancar boas risadas do público.


O filme conta a história do casal Nicky e Tacy, recém-casados que tem a péssima ideia de morar em um trailer e viajar pelo país em lua de mel. Logo de cara já sabemos que a relação dos dois teve sérios problemas, pois vemos na primeira cena o rapaz dirigindo na chuva atrás de sua esposa, que havia sumido dias antes após uma briga. Através de um flashback, somos redirecionados ao início de tudo, quando os dois ainda estavam planejando o casório e tentando encontrar a casa perfeita ao estilo american dream. Só que se sua noiva é Lucille Ball você não pode esperar que seja uma residência convencional, não é mesmo?! Por conta da profissão de seu futuro marido, que precisa estar sempre viajando, a jovem tem como brilhante solução para seus problemas comprar um trailer, ao invés de uma casinha com cerca branca, pois desta maneira ela poderá sempre acompanhar seu amado, e ele por sua vez não precisará ficar em hotéis, porque estará sempre em casa.


Apesar de relutar um pouco, Nicky acaba sendo persuadido de que havia uma certa lógica no raciocínio e, ao encontrarem um trailer encantador com diversas facilidades de pagamento, o rapaz acaba cedendo e aceitando sua nova moradia. As coisas já demonstram que não vão ser como os dois idealizaram quando as tais facilidades de pagamento fazem valer o ditado 'quando a esmola é demais, o santo desconfia', pois apesar do preço aparentemente amigável, surgem inúmeras despesas subsequentes, como manutenções e equipamentos de segurança para acoplar o trailer no carro, além da necessidade de comprar até mesmo um novo veículo.


Após o casamento, a rotina do casal também não é muito melhor, com problemas que vão desde pequenas dificuldades de adaptação, como o posicionamento do chuveiro e o uso do freio do carro, até enormes confusões com a movimentação excessiva na cozinha, ficar atolado na lama no meio da noite e arriscar uma subida íngreme com o trailer cheio de tralhas.


Não é de se estranhar que até o mais apaixonado dos casais acabe discutindo ao se ver envolvido em tamanho pandemônio. Nicky e Tacy tem uma terrível briga quando o rapaz descobre que a esposa arriscou a segurança de ambos mentindo ao dizer que se desfez de todo o excesso de peso que levavam, como rochas que pegaram de recordação e presentes de casamento. Após o desentendimento, Tacy vai embora e Nicky passa dias procurando a moça, voltando assim ao ponto de início do filme. Será que ainda existe chance para este triângulo amoroso, formado por Nicky, Tacy e.. o trailer?


Problematizando

Tudo bem, pra não dizer que minha veia feminista não se manifestou em nenhum ponto do filme, preciso dizer que me incomodou um pouco o fato de ser sempre a Lucy que causava a maioria dos problemas e confusões, sendo bem cabecinha de vento, enquanto o marido era sempre o racional, mas acabava sendo persuadido por ela a fazer coisas que claramente tinham tudo para dar errado. Esse tipo de coisa sempre é utilizada para reforçar o esteriótipo de que é o homem, o marido, que deve pensar e ser o responsável por tomar as decisões. Assim como o fato de Lucy interpretar a típica 'mulher casada anos 50', a dona de casa que ama cuidar do marido. Você pode pensar nesse momento que talvez eu esteja sendo chata e exagerando um pouco, no entanto tais fatos eram realmente bastante comuns na época, e constantemente reforçados pelo cinema e por outros meios de comunicação, como revistas e propagandas.






Para uma mulher muitas vezes é incômodo ver como os papéis femininos na sociedade eram limitados, basicamente com uma lavagem cerebral da mídia e de sua própria comunidade reforçando sempre a ideia de que seu dever era cuidar do marido e dos filhos e que seu lugar era em casa, que nunca seria inteligente o bastante para o mundo dos negócios ou mesmo para tomar uma decisão quanto um homem. O cinema, principalmente as comédias para a família da década de 50, reafirmavam categoricamente essa condição, assim como falei brevemente também na resenha de Confidências à Meia-Noite, só que nesta matéria abordando mais sobre as mulheres solteiras.


No entanto, como foi dito no início deste artigo, o filme de maneira nenhuma se torna datado, já que essas questões não são o foco da história. Além do mais, é preciso entender que Lucille Ball é a protagonista, conhecida por suas caras e bocas e seu dom para o humor, e é fundamental que a maioria das cenas de comédia tenham ela como estrela, logo é compreensível que as trapalhadas sejam feitas por ela.

O filme está sendo lançado pela Obras-Primas do Cinema, em uma edição 'Dose Dupla', junto com outro clássico estrelado pela atriz: Os Seus e Os Nossos (Yours, Mine and Ours, 1968), onde atua ou lado do ex-namorado de juventude, Henry Fonda. Clique aqui para ler a matéria Um pouco sobre Lucille Ball, Obras-Primas e Dose Dupla

Para comprar o filme, clique aqui.


quinta-feira, 17 de novembro de 2016

Sobre a nova página no facebook e o que aconteceu com a antiga


Pessoal, sei que muita gente deve estar um pouco confusa a respeito da criação da nova página e o que irá acontecer com a antiga agora, por isso decidi fazer este post para explicar a situação mais detalhadamente.

A página Lady Hollywood foi criada em 2011 ou 2012 rsrsrs com o objetivo de homenagear os astros e os grandes clássicos antigos, além de eventualmente ter postagens de música, moda, literatura.. Não há na página nenhum conteúdo ilícito, como nudez ou qualquer outra coisa que o facebook proíba, no entanto uma das coisas mais populares e queridas pelos seguidores, os vídeos, começaram a dar problema devido aos direitos autorais das músicas, fazendo com que a página e meu próprio perfil ficassem bloqueados. Além do mais, o alcance da página estava constantemente prejudicado, com menos de 5% dos seguidores tendo acesso ao conteúdo disponibilizado. Sei que não são os likes que importam e sim a qualidade, mas é bastante desmotivante se esforçar para fazer um bom trabalho, procurando diariamente vídeos, fotos e gifs inéditos, além das pesquisas para as matérias do blog, e ver que um número tão pequeno do público que você conquistou ao longo dos anos está tendo acesso aos posts.

Sei que pode ser um pouco de loucura, mas por já ter sofrido várias denúncias com os vídeos, e com punições que foram ficando cada vez mais rígida, senti essa página estava ficando com os dias contados e que numa próxima poderia ser deletada de vez, sem nenhum aviso prévio, já que o próprio facebook fez essa advertência. Por isso, decidi que o melhor seria começar uma página do zero, tentando trazer o máximo possível de seguidores para a nova página, que se chama Blog Lady Hollywood, apenas para diferenciar num primeiro momento, porém o conteúdo será o mesmo!

Peço a vocês que me ajudem curtindo a página e se possível me ajudando a divulga-la para os amigos que gostam de cinema antigo, pois é bem difícil recuperar do nada mais de 150 mil curtidas e precisarei do máximo de ajuda possível para amenizar o dano.

Se possível, já aproveitem e minimizem as restrições do facebook, selecionando a opção 'ver primeiro' ao posicionar o mouse em cima de 'Curtiu', como na imagem abaixo:


Quem quiser, também pode participar do nosso grupo, também chamado Lady Hollywood, para conversarmos sobre cinema e também sobre sugestões para a página e o blog. Muito obrigada a todos desde já! Vocês tem sido maravilhosos!

sexta-feira, 4 de novembro de 2016

Do Mundo Nada Se Leva (You Can't Take It with You, 1938)


Embora o diretor tenha um papel fundamental em um filme, é comum que a maior parte do público preste atenção apenas nos atores, muitas vezes deixando de lado a importância da direção. No entanto, alguns cineastas tem o poder se passar sua essência para os longas, fazendo com que os espectadores imediatamente reconheçam suas marcas registradas refletidas na tela. Exemplos de casos como este são o mestre do suspense Alfred Hitchcock, com seu indefectível humor negro, ou Douglas Sirk, com seus magníficos dramalhões. E é nesta categoria que também se encaixa o sempre fantástico Frank Capra. Muitas vezes diminuído pelos críticos, por utilizar temáticas consideradas bobas e simples, seus trabalhos geralmente eram comédias românticas e filmes 'edificantes'.

Frank Capra ao lado de seu 'muso' James Stewart

Seus dois atores preferidos eram James Stewart e Jean Arthur, que fizeram par romântico em dois longas sob sua direção: Do Mundo Nada Se Leva (You Can't Take It with You, 1938), o nosso filme de hoje, e A Mulher Faz o Homem (Mr. Smith Goes to Washington, 1939). Com Arthur já havia trabalhado anteriormente em O Galante Mr Deeds (Mr. Deeds Goes to Town, 1936), e com Stewart como protagonista fez sua obra mais aclamada: A Felicidade Não Se Compra (It's a Wonderful Life, 1946). Sua filmografia inclui também clássicos como Aconteceu Naquela Noite (It Happened One Night, 1934), com Clark Gable e Claudette Colbert, Adorável Vagabundo (Meet John Doe, 1941), com Barbara Stanwyck e Gary Cooper, Este Mundo é um Hospício (Arsenic and Old Lace, 1944), com Cary Grant e Priscilla Lane, e Os Viúvos Também Sonham (A Hole in the Head, 1959), dentre outros.


Em Do Mundo Nada Se Leva temos todas as principais características das produções mais famosas de Capra, a tal 'essência' citada no início da matéria: Personagens encantadores, uma história de amor, cenas de comédia, protagonistas passando por dificuldades e um final edificante. Apesar da fórmula pronta é impossível não amar!


Como uma boa parte das comédias-românticas da década de 30, o início é um pouco mais lento, com muitos diálogos, para que o público primeiramente conheça um pouco a rotina e as particularidades dos personagens, antes que a história em si aconteça. Assim, entramos em dois mundos completamente opostos. De um lado, a família Kirby, elitista e ambiciosa, da qual Tony (James Stewart) faz parte, apesar de não compactuar com o pensamento de seus pais; Do outro, o louco e divertido clã de Martin Vanderhof (Lionel Barrymore), um homem que desistiu dos negócios para viver a vida de maneira plena, decidindo fazer apenas o que gosta, e passando estes valores para seus entes queridos. Sua neta, Alice Sycamore (Jean Arthur), trabalha na empresa dos Kirby e namora Tony em segredo.


Tony e Alice acabam tendo seu romance descoberto e decidem que se amam o suficiente para oficializar a união. Como era de se imaginar, os pais do rapaz não ficam nada satisfeitos com a escolha do filho, que não condiz com sua posição social, mas concluem que o melhor a fazer é fingir aceitar a jovem, já que a oposição pode juntar ainda mais o apaixonado casal. A família de Alice, no entanto, recebe muito bem a notícia, tratando Tony da melhor maneira possível.


Os parentes da jovem incluem seu avô, seus pais, a irmã, com seu respectivo marido, e os 'agregados': alguns amigos que estão sempre presentes na casa. A rotina familiar engloba aulas de balé na sala, testes de fogos de artifício, preparação de doces, invenções de brinquedos e peças de teatro sendo escritas na máquina de escrever, tudo acontecendo simultaneamente e na mais absoluta harmonia. Apesar da aparente loucura, todos vivem muito felizes, dedicando-se apenas ao que lhes da prazer, e é exatamente esse gritante contraste com sua própria realidade que mais encanta e surpreende Tony. Alice não tem a mesma sorte ao ser oficialmente apresentada aos sogros. Durante um encontro entre as duas famílias, absolutamente tudo da errado e a catastrófica noite piora ainda mais com todos indo parar atrás das grades por um mal-entendido.


Por uma infeliz coincidência, o Sr Kirby ambicionava comprar todas as casas do bairro, mas seu negócio andava sendo prejudicado por conta de um único morador que se recusava a vender sua propriedade: Martin Vanderhof. Após ter sido diminuído durante toda a noite e descobrir que Kirby vinha armando durante meses para comprar sua casa, Martin acaba explodindo e falando tudo o que pensa sobre o arrogante magnata e a verdadeira importância da vida.


Martin Vanderhof é um homem viúvo, ainda apaixonado por sua esposa mesmo após anos de sua perda, que considera os amigos e a família os bens mais preciosos de um homem. Para ele, o dinheiro é apenas um detalhe, que de nada adianta se for adquirido através de sacrifícios, Sua filosofia de vida prega que o importante é fazer o que se ama para que seus dias tenham mais momentos felizes do que aborrecimentos. Mesmo sendo obrigado a usar muletas por conta de um acidente, artifício utilizado no filme por conta de problemas reais do ator Lionel Barrymore, ele faz questão de se manter ativo e influenciar o maior número de pessoas com suas atitudes positivas. Mas apesar de todo o seu esforço, o relacionamento de Alice e Tony chega ao fim, pois a moça não suporta as humilhações sofridas por ela e sua família, sem que seu noivo tomasse partido.


Mas é um filme de Frank Capra, não é mesmo? Então sabemos que o final é sempre feliz, e assim o Sr Kirby observa os acontecimentos ao seu redor e percebe que apesar de toda a sua fortuna, ele se encontra sozinho e infeliz, além de ter causado o sofrimento de seu próprio filho. Decidido a mudar de atitude, ele vai até Martin se desculpar e pedir conselhos, ao mesmo tempo em que Tony e Alice se reencontram e acabam fazendo as pazes. Apesar de na vida nem tudo ser perfeito como no cinema, e nem todos poderem se dar ao luxo de fazerem apenas as atividades que amam, é impossível não terminar o longa com um sorriso no rosto e a sensação de que o mundo não é tão ruim quanto possa parecer. É importante haver o equilíbrio entre o idealismo excessivo, que na vida real na maioria das vezes acaba em decepção, e a percepção de que de fato desse mundo aqui nada se leva, e é inútil associar a felicidade apenas aos bens materiais, já que todos nós, ricos e pobres, iremos no final para o mesmo lugar. Fundamental é aproveitar ao máximo os pequenos prazeres e os momentos de felicidade.

Elenco do filme

Ganhador do Oscar de Melhor Filme e Melhor Diretor, conta com um elenco afinadíssimo, desde seus protagonistas, até os coadjuvantes, dentre eles uma adolescente Ann-Miller, então com 15 anos, em seu primeiro papel, o qual classificou como uma experiência mágica, apesar de surpreendentemente ter tido muitas dificuldades nas cenas de dança. Ela sentia muitas dores nos pés, mas tentava manter em segredo da equipe, tendo sido certa vez flagrada aos prantos por James Stewart, que tentou consola-la, mesmo sem saber o motivo do choro. Destaque da produção, Lionel Barrymore trabalhou novamente ao lado de James Stewart e Frank Capra em A Felicidade Não Se Compra.

O dvd está sendo lançado no Brasil pela Classicline e é um filme que vale a pena ter em sua coleção. Você encontra nas melhores lojas do ramo, como a Fnac e a Livraria da Folha.