O que aconteceu com Natalie Wood?



Em 1981, durante seu segundo casamento (os dois haviam sido casados de 1957 até 1962 e reataram o romance dez anos depois, em 1972), a atriz Natalie Wood foi encontrada morta em circunstâncias misteriosas, vítima de afogamento durante um passeio de barco com o marido, Robert Wagner. Após investigações, a polícia não conseguiu nada concreto e a morte foi considerada acidental.




Algumas reportagens da época

A bordo do iate Splendour, o casal estava acompanhado do ator Christopher Walken e do capitão do barco. Natalie e Christopher tornaram-se amigos após se aproximaram durante as filmagens de Projeto Brainstorm, fazendo com que surgissem rumores de um possível caso entre os dois.


A versão apresentada é que, após consumir uma grande quantidade de álcool, Natalie se desequilibrou e caiu no mar durante a noite. A causa oficial da morte foi afogamento e hipotermia. Embora a atriz tenha pedido por socorro, segundo testemunhas que estavam em um barco próximo e ouviram seus gritos, os três homens a bordo do Splendour não a escutaram por estarem bastante embriagados e dormindo profundamente. Os tripulantes do outro barco não se encontravam próximos o suficiente para conseguirem resgata-la e tentaram em vão chamar a guarda costeira pelo rádio. Apenas horas depois de seu desaparecimento, Wagner chamou por ajuda, mas já era tarde demais. O corpo da atriz foi encontrado às 8 horas da manhã do dia seguinte.


Embora não tenha sido considerado oficialmente um suspeito, a versão de Robert Wagner nunca foi considerada satisfatória para a opinião pública. A ausência de Natalie no barco teria sido notada por volta das 23 horas, mas Wagner chamou as autoridades apenas horas depois, por ter achado que ela teria voltado ao restaurante onde haviam jantado naquele mesmo dia. Segundo as testemunhas que estavam no outro barco, era estranho que os homens a bordo do Splendour não tenham ouvido os gritos de socorro da atriz, já que estavam muito mais próximos do local de onde vinham os apelos desesperados dela. Horas antes, Natalie, Christopher, Robert e o capitão haviam ido jantar em um restaurante e, segundo relatos, os quatro beberam muito mais do que deveriam e se comportaram de maneira chamativa. Wagner não parecia de bom humor por estar incomodado com a proximidade entre Natalie e Walken. O próprio ator confessou em sua auto-biografia que havia brigado com a esposa, porém segundo o capitão do barco, a briga foi muito mais intensa do que o relatado por ele. Christopher Walken sempre evitou se pronunciar sobre o assunto, aumentando ainda mais o mistério sobre o caso. A irmã da atriz, Lana Wood, nunca se conformou e acusa publicamente seu cunhado até os dias de hoje.

Lana e Natalie Wood

Em 2011 o caso foi reaberto pela polícia depois das mudanças no depoimento do capitão do barco. Após cerca de 8 meses de investigação, nada novo foi descoberto e mais uma vez não foi tirada nenhuma conclusão a respeito. A causa da morte foi modificada de acidental para inconclusiva. Em 2016, Lana Wood tentou, em vão, conseguir uma confissão por conta própria, confrontando Wagner e gravando a conversa. Confira aqui Embora muitos considerem o ator culpado, as evidências contra ele são apenas especulações. Não há nenhuma prova concreta que demonstre que o ele realmente tenha assassinado a esposa, seja jogando ela do barco, seja demorando propositalmente para chamar o resgate. A hipótese de suicídio também chegou a ser levantada, mas é pouco provável, já que Natalie tinha verdadeiro pavor de água. Apesar da polêmica, as filhas do casal sempre ficaram ao lado do pai. O casal teve apenas uma filha, Courtney, mas Natasha, filha de Natalie com seu segundo marido, foi reconhecida e criada por Wagner, que obteve a custódia de ambas após o falecimento da esposa. O mistério permanece até hoje, dividindo opiniões, com argumentos tanto para a culpa quanto para a inocência do ator, sem nenhuma prova concreta.

Robert no funeral de Natalie

Postagens mais visitadas deste blog

O filho que Alain Delon abortou

8 atores que se suicidaram

A verdadeira Elise McKenna