domingo, 23 de julho de 2017

10 filmes com Ginger Rogers (Sem Fred Astaire)


Sempre associada ao eterno seu parceiro nas telas, Fred Astaire, Ginger Rogers muitas vezes não tem o verdadeiro valor que merece. Enquanto o ator é reconhecido também por seus outros trabalhos, ao lado de nomes como Cyd Charisse, Rita Hayworth, Audrey Hepburn e Judy Garland, para citar algumas, a atriz raramente é citada por seus filmes sem Astaire, tornando-se estigmatizada por seus papéis como dançarina. Confira abaixo algumas dicas de longas para conhecer mais o talento de Ginger:

1- Rua 42 ( 42nd Street, 1933)


Peggy Sawyer (Ruby Keeler) é uma jovem dançarina iniciante que acaba de chegar a Nova York e consegue uma participação no coro de um espetáculo musical chamado Pretty Baby. Ela seria apenas mais uma, só que a estrela principal, a temperamental Dorothy Brock (Bebe Daniels) machuca o tornozelo pouco antes da estreia do musical. O acidente faz com que Peggy tenha que assumir o lugar da outra dançarina, e também coloca todo o destino da companhia nas suas costas.

2- No Teatro da Vida (Stage Door, 1937)


A jovem e rica Terry Randall (Katharine Hepburn) decide provar que pode chegar ao estrelato na Broadway sem precisar recorrer aos contatos familiares. Ela vai morar em uma casa com outros atores aspirantes ao sucesso e deve lidar constantemente com o fracasso que estes sofrem na trilha da fama.

3- Que Papai Não Saiba (Vivacious Lady, 1938)


O professor universitário Peter Morgan (James Stewart) encontra seu primo Keith (James Ellison) totalmente ébrio numa boite, e lógico, tem que avisar a sua mãe. Enquanto espera a chegada da tia, Peter assiste a cantora Francey (Ginger Rogers) e, automaticamente, fica apaixonado por ela. De forma impulsiva, Peter e Francey se casam e pegam um trem para visitar o pai. Porém, Peter tem medo da reação da sua família conservadora, e convence seu primo a se passar como namorado de Francey.

4- Mãe Por Acaso (Bachelor Mother, 1939)


Polly Parrish trabalha como caixa em uma loja de departamento e, um dia, quando surge um bebê abandonado, acaba cuidando dele como se fosse seu filho. Impressionado com sua conduta, seu patrão resolve empenhar-se para manter a mulher e a criança juntas.

5- Kitty Foyle (1940)


Kitty Foyle (Ginger Rodgers), uma moça de classe média da Filadélfia, apaixona-se pelo jovem empresário Wyn Strafford (Dennis Morgan). Porém, a família dela é contra o relacionamento. Assim sendo, ela retorna para Nova Iorque onde conhece Mark Eisen (James Craig).

6- Pernas Provocantes (Roxie Hart, 1942)


Roxie Hart assina uma confissão de assassinato a fim de atrair publicidade para sua carreira de dançarina, mas as coisas não saem exatamente como o planejado.

7- A Incrível Susana (The Major and the Minor, 1942)


Susan Applegate é uma jovem que se fartou da vida em Nova Iorque, e que regressa para a sua casa no Iowa. Como a sua poupança, feita ao longo do tempo, não é suficiente para pagar a passagem de volta, ela disfarça-se de menina de doze anos para poder comprar meia-passagem. Mas, as suas complicações começam mesmo quando ela divide um compartimento com Kirby, um major do exército.

8- Era uma Lua-de-Mel (Once Upon a Honeymoon, 1942)


No início da II Guerra Mundial, Katie O'Hara uma americana que pretende subir na vida, casa com o Barão austríaco Von Luber. Pat O'Toole, um repórter de rádio americano, aproveita a ocasião para investigar Von Luber que é suspeito de ter ligações com os nazistas. No momento em que a guerra entra em ascenção, O'Toole persegue O'Hara em sua lua-de- mel pela Europa. Ao princípio pretende apenas uma história, no entanto ele se apaixona.

9- Ver-te-ei Outra Vez (I'll Be Seeing You, 1944)


A Presidiária Mary Marshall, condenada por um assassinato acidental, está viajando para casa para poder passar o feriado de Natal com a família. O soldado Zachary Morgan está saindo de um hospital psiquiátrico, de onde acabou de ser liberado e estava fazendo tratamento para recuperar-se de traumas de guerra. Uma inevitável paixão acontece à medida que os dois convivem e os dias de liberdade de Mary estão acabando. Agora, o casal deve finalmente decidir se o que estão vivendo é realmente amor e se revelarem um ao outro, antes que seja muito tarde para que possam se ver novamente.

10- O Inventor da Mocidade (Monkey Business, 1952)


Um professor e sua mulher desenvolvem uma pílula que retarda o processo de envelhecimento. Eles testam a droga em si mesmos e o efeito é inesperado: começam a agir como adolescentes inconsequentes e aprontam muitas confusões.

domingo, 16 de julho de 2017

10 termos que surgiram através do cinema e da literatura



A frase 'a arte imita a vida' não é dita por acaso. Não é novidade que os livros e os filmes muitas vezes são inspirados por pessoas e situações reais do cotidiano de seus autores. No entanto, não é raro que o contrário também ocorra e nos deparemos com determinadas características da ficção em nosso dia a dia. Abaixo uma seleção com algumas palavras e termos que foram originados através de obras do cinema e da literatura:

1- Gaslighting


Você provavelmente já deve ter visto ou ao menos ouvido falar sobre o filme À Meia Luz (Gaslight), estrelado por Ingrid Bergman e Charles Boyer, em 1944. Refilmagem da versão britânica de 1940, protagonizada por Anton Walbrook e Diana Wynyard, os dois longas foram uma adaptação para as telas da peça de teatro homônima feita em 1938. Numa tradução literal, a palavra da língua inglesa 'Gaslight' significa lampião. Na história em questão, no entanto, ela adquire um significado muito mais perverso, pois é justamente através da luz de um lampião que um psicopata tenta fazer com que sua esposa se convença de sua insanidade mental. No enredo, uma jovem recém-casada começa a se deparar com estranhos acontecimentos que só ela presencia. Aos poucos, seus esquecimentos e visões começam a ser usados contra ela por seu marido e a moça passa a duvidar de si mesma, considerando-se incapaz de fazer um julgamento de maneira equilibrada, sem perceber que tudo não passava de uma armação de seu 'parceiro'. Este tipo de abuso psicológico, ou seja, quando uma pessoa tenta manipular a outra fazendo-a sentir-se culpada mesmo estando certa, e tentando confundir sua visão sobre os fatos através acusações infundadas ou exageradas, passou a ser chamado de Gaslighting.

2- Big Brother

O reality show Big Brother popularizou-se por todo o mundo, alcançando uma audiência de milhões de pessoas que assistem o dia a dia de um grupo de indivíduos confinado em uma casa cercada por câmeras. O que muitos não sabem é que o termo, que traduzido significa 'grande irmão', foi retirado do clássico da literatura '1984', escrito por George Orwell e publicado em 1949. A história apresenta uma sociedade distópica comandada um líder, apelidado de Big Brother, que é capaz de saber cada passo dado por todos os habitantes. A população é constantemente lembrada da vigilância e do poder do tirano, através de cartazes e propagandas, onde são lidos os dizeres 'Big Brother is Watching You' (O grande irmão está assistindo você). As duas adaptações mais famosas da obra foram nos filmes de 1956, com Edmond O'Brien e a de 1984, com John Hurt (que tem resenha aqui no blog). 

3- Paparazzo


Nos dias de hoje, o termo italiano 'paparazzo' (ou paparazzi, no plural) é amplamente conhecido e utilizado para designar os fotógrafos que costumam perseguir as celebridades atrás de grandes flagras para vender para revistas e sites de fofoca. Curiosamente, a expressão surgiu no cinema, mais precisamente no filme A Doce Vida (La dolce vita), de 1960. No longa, o protagonista Marcello Mastroianni interpreta um jornalista especializado em fazer matérias sensacionalistas sobre artistas, que tem como fiel escudeiro seu colega fotógrafo, chamado Signore Paparazzo (vivido pelo ator Walter Santesso).

Transtornos Psicológicos

4- Bovarismo 


O clássico escrito por Gustave Flaubert já teve diversas adaptações cinematográficas, como a de 1949, com Jennifer Jones, a de 1991, com Isabelle Huppert, e a de 2014, com Mia Wasikowska. Conta a história de Emma Bovary, uma jovem bonita e sonhadora que casa-se por conveniência com um médico. Aos poucos, a vida sem graça que lhe é imposta começa a não ser o bastante, fazendo com que ela comece a se refugiar em um mundo ao qual não pertence, confundindo realidade e ilusão. Em 1892, o termo 'bovarismo' foi criado pelo filósofo Jules de Gaultier para designar a condição de pessoas que, assim como a protagonista do livro francês, apresentam uma profunda insatisfação com a realidade e passem a fugir dela através de seu imaginário, tendo dificuldades de distinguir entre fatos concretos e o que foi criado por suas fantasias.

5- Ciúme Patológico ou Síndrome de Otelo


Embora o ciúme seja um sentimento comum a todos os seres humanos, quando há um exagero torna-se uma doença. Na década de 50, psiquiatras criaram o termo 'Síndrome de Otelo' utilizando como inspiração o personagem-título criado por William Shakespeare. Na obra, o protagonista chega a matar sua esposa Desdêmona por conta de seu ciúme doentio e de sua paranoia, por acreditar que estava sendo traído. O transtorno em questão, é caracterizado justamente por uma obsessão e a certeza da infidelidade baseados em provas inconsistentes (o popular 'procurar pelo em ovo'). Nas telas, o personagem já foi vivido por nomes como Orson Welles (em 1952), Laurence Olivier (em 1965) e Laurence Fishburne ( em 1995).

6- Síndrome de Dorian Gray


No romance de Oscar Wilde, o personagem principal é um rapaz de rara beleza que se apaixona por sua própria imagem ao vê-la pintada em um retrato. O medo de envelhecer e perder sua bela aparência faz com que ele acabe fazendo uma espécie de pacto, onde sua imagem permanecerá para sempre inalterada e todos os danos que seriam naturalmente impostos a ele pelo tempo, passam a ser notados em seu retrato. Dentre as mais famosas adaptações para as telas estão a de 1945 ( com Hurd Hartfield), a de 1976 (com Peter Firth, feita para a televisão), e a de 2009 ( com Ben Barnes). Essa obsessão com a aparência e o verdadeiro pavor dos efeitos da passagem do tempo, que fazem com que homens e mulheres se submetam a diversos procedimentos estéticos e utilização de produtos de maneira desmedida, foi denominada Síndrome de Dorian Gray. 

7- Síndrome de Todd ou Síndrome de Alice no País das Maravilhas 


A síndrome se caracteriza pelas distorções visuais, que fazem objetos parecerem de cores diferentes e maiores ou menores do que realmente são. O paciente pode ter alucinações até mesmo sobre o próprio corpo, imaginando que está mudando de tamanho ou formato. O psiquiatra John Todd foi quem notou as semelhanças dos sintomas com as situações descritas nas aventuras de Alice em sua visita ao País das Maravilhas, onde ela diversas vezes aumenta e diminui de tamanho ao ingerir substâncias que se encontram no local. Segundo estudiosos, o próprio Lewis Carroll, autor da obra, era vítima da doença e descreveu em sua história alguns de seus sintomas. (Clique para ver as adaptações para o cinema e televisão da história)

8- Síndrome de Rapunzel


A história escrita pelos Irmãos Grimm todos já conhecem. Uma bela jovem é criada em uma torre como prisioneira e possui enormes cabelos. A Síndrome de Rapunzel, também relacionada aos cabelos, se caracteriza pela compulsão em arrancar os próprios cabelos, transtorno denominado Tricotilomania. Muitos pacientes sofrem também de Tricofagia, que faz com que além de arrancar, a pessoa acabe comendo os próprios fios, o que pode causar graves complicações, já que o corpo não digere os cabelos.

9- Síndrome de Peter Pan


O personagem criado por James Matthew Barrie é um menino que se recusa a crescer, preferindo viver sua eterna infância na Terra do Nunca. Como você pode imaginar, a Síndrome de Peter Pan caracteriza pessoas que, mesmo já adultas, se recusam a crescer e amadurecer, comportando-se e enxergando a si próprias de maneira infantilizada. Essa condição foi descrita pelo Dr. Dan Kiley. Voltando ao clássico infantil, dentre as várias adaptações, podemos citar a versão da Disney, feita em 1953, e as versões de 1991, intitulada Hook - A Volta do Capitão Gancho, com Robin Williams, e Peter Pan, de 2003, com Jeremy Sumpter.

10- Síndrome de Huckleberry Finn


Em seu livro publicado em 1884, Mark Twain retrata a infância difícil e permeada de aventuras e rejeições do protagonista Huckleberry Finn. As versões cinematográficas mais conhecidas são a de 1974, com Jeff East, e a de 1993, com Elijah Wood. O personagem costumava fugir de seus compromissos e matava aula constantemente. Segundo psiquiatras, a Síndrome de Huckleberry Finn ocorre quando pessoas acabam sendo influenciadas por seus traumas de infância de maneira que prejudique suas oportunidades na vida adulta. Basicamente, os indivíduos passam a se auto-sabotar por um medo quase inconsciente de rejeição, fazendo com que tenham atitudes questionáveis e instabilidade profissional.


Texto de apoio utilizado: http://super.abril.com.br/blog/superlistas/6-transtornos-com-nomes-inspirados-em-personagens-da-literatura/



sábado, 15 de julho de 2017

Mais de 90 fotos raras do elenco de Chaves e Chapolin



Criadas por Roberto Bolaños no início da década de 70, as séries Chapolin Colorado (El Chapulín Colorado) e Chaves (El Chavo del Ocho) fizeram um enorme sucesso em toda a América Latina. As duas produções mexicanas foram ao ar, respectivamente, de 1970 até 1979 e 1972 até 1980, no entanto foram reprisadas incansavelmente durante as décadas seguintes, fazendo parte da infância de diversas gerações. O elenco principal era formado pelo próprio Bolaños, que interpretava os personagens-título, Ramón Valdés (Seu Madruga), Florinda Meza (Dona Florinda), Carlos Villagrán (Quico), María Antonieta de las Nieves (Chiquinha), Rubén Aguirre (Professor Girafales), Édgar Vivar (Senhor Barriga) e Angelines Fernández (Dona Clotilde, conhecida carinhosamente como Bruxa do 71). Confira abaixo algumas fotos raras dos atores e imagens de bastidores:








































































Com Maradona
























Bônus: Episódio com o áudio original, com as verdadeiras vozes dos atores