10 filmes com Sean Connery, além de 007


De origem escocesa, Sean Connery(Edimburgo, 25 de agosto de 1930 — Bahamas, 31 de outubro de 2020) iniciou a carreira como fisiculturista, chegando a ficar em terceiro lugar na competição de Mr Universo em 1953. Alcançou a fama internacional ao protagonizar o longa '007 contra o Satânico Dr. No' (Dr No, 1962), primeira adaptação cinematográfica da obra de Ian Fleming. A partir de então, estrelou uma série de filmes como o agente britânico 007, sendo eles 'Moscou Contra 007' (From Russia with Love, 1963), '007 contra Goldfinger' (Goldfinger, 1964), '007 Contra a Chantagem Atômica' (Thunderball, 1965), 'Com 007 Só Se Vive Duas Vezes' (You Only Live Twice, 1966) e '007 - Os Diamantes São Eternos' (Diamonds Are Forever, 1971), voltando a atuar como James Bond na produção não-oficial da franquia ' 007 - Nunca Mais Outra Vez' (Never Say Never Again, 1983), uma espécie de refilmagem de '007 Contra a Chantagem Atômica'. Connery, entretanto, conseguiu escapar do estereótipo ao qual muitos atores ficam atrelados, quando ficam marcados por apenas um papel, tendo uma filmografia repleta de grandes sucessos, sendo agraciado com prêmios como o Oscar, o Globo de Ouro e o BAFTA. Confira abaixo os trabalhos mais marcantes do ator, além de 007:

1- Marnie: Confissões de uma Ladra (Marnie, 1964)


Um homem rico (Sean Connery) se casa com uma mulher cleptomaníaca (Tippi Hedren) e tenta ajudá-la a se recuperar da doença, na tentativa de restaurar a harmonia de seu casamento.

Onde comprar: Video Pérola; Amazon.

2- A Mulher de Palha (Woman of Straw, 1964)


Jovem ganancioso (Sean Connery), enfurecido porque seu tio rico e moribundo não planeja incluí-lo em seu testamento, contrata uma jovem enfermeira (Gina Lollobrigida) para cuidar do tio, fazê-lo se casar com ela e mudar o testamento para que eles fiquem com sua fortuna.


3- A Colina dos Homens Perdidos (The Hill, 1965)


Durante a 2ª Guerra Mundial, no deserto líbio, há um acampamento militar britânico cujo objetivo é disciplinar os militares que tiveram um comportamento reprovável. Os prisioneiros são perseguidos pelo 2º sargento Williams (Ian Hendry), que os faz subir várias vezes, debaixo de um sol escaldante, uma colina construída no meio do campo. O sargento Charlie Harris (Ian Bannen) é o mais humano dos guardas, mas o chefe do campo, o 1º sargento Bert Wilson (Harry Andrews), se recusa a desautorizar Williams. Um dia chegam 5 novos prisioneiros e cada um enfrentará de modo diferente a autoridade e o sadismo de Williams.

4- O Homem Que Queria Ser Rei (The Man Who Would Be King, 1975)


Enquanto a Índia era dominada pelos colonizadores ingleses, dois ex-soldados britânicos decidem explorar os países ao redor. Os destemidos Peachy Carnahan (Michael Caine) e Daniel Dravot (Sean Connery) viajam para o Kafiristão, onde pretendem conquistar o sucesso e viver como reis.

5- Assassinato no Expresso Oriente (Murder on the Orient Express, 1974)


O detetive Hercule Poirot (Albert Finney) está a bordo do Expresso do Oriente quando um passageiro (Richard Widmark)é encontrado morto. Amplamente desprezada, a vítima tinha muitos inimigos, e Poirot tem que peneirar um grupo excêntrico de suspeitos para encontrar o assassino.

6- O Nome da Rosa (The Name of the Rose, 1986)


Um monge franciscano (Sean Connery) investiga uma série de assassinatos em um remoto mosteiro italiano. Isso provoca uma guerra ideológica entre os franciscanos e os dominicanos, enquanto o monge lentamente soluciona os misteriosos assassinatos.

Onde comprar: Amazon

7- Os Intocáveis (The Untouchables, 1987)


Na Chicago de 1930, quando ainda vigora a Lei Seca, o gângster Al Capone (Robert De Niro) controla o crime na cidade e o tráfico de bebidas. Para detê-lo, o agente Eliot Ness (Kevin Costner) organiza um grupo de policiais incorruptíveis que recebe a alcunha de "Os Intocáveis". As ações constantes do grupo infligem duros prejuízos em Capone, que resolve revidar com violência, enquanto a corrupção que se estende aos tribunais e à própria força policial dificulta ainda mais a missão de Ness e seus homens.

8- Caçada ao Outubro Vermelho (The Hunt for Red October, 1990)


O ano é 1984. O alto comando soviético acredita na possibilidade de deserção quando o capitão Markus Ramius (Sean Connery), o comandante do Outubro Vermelho, o mais moderno submarino russo, desobedece ordens superiores e navega em direção à América. Diante deste quadro outros submarinos soviéticos recebem ordem de afundar o Outubro Vermelho e os americanos decidem fazer o mesmo, pois temem um ataque contra seu território. Até que Jack Ryan (Alec Baldwin), um agente da CIA que admira Markus Ramius, tenta impedir que soviéticos e americanos dêem prosseguimento a este ataque.

9- A Rocha (The Rock, 1996)


O especialista em guerras químicas do FBI Stanley Goodspeed (Nicolas Cage) é enviado para uma missão urgente com um ex-espião britânico, John Patrick Mason (Sean Connery), na tentativa de impedir que o general da Marinha Francis X. Hummel (Ed Harris) lance armas químicas sobre a Ilha de Alcatraz em São Francisco. O general Hummel exige 100 milhões de dólares em indenizações às famílias dos militares mortos.

10- Armadilha (Entrapment, 1999)


Quando a investigadora de seguros Virginia Gin Baker (Catherine Zeta-Jones) trabalha na obra roubada de Rembrandt, ela suspeita que Robert "Mac" MacDougal (Sean Connery) seja responsável. Gin decide se disfarçar e ajudar Mac a roubar um valioso artefato. Quando Mac confronta os reais motivos da ajuda de Gin, ela diz que é uma ladra e o trabalho na seguradora é pura fachada.



Postagens relacionadas:


Tudo sobre James Bond
Atores que protagonizaram duas versões de um mesmo filme
Atletas que se tornaram atores

Atores e atrizes antigos que inspiraram desenhos animados

Já teve a sensação de ver um desenho e achar algum personagem estranhamente conhecido? Ou, quem sabe, assistir a um filme antigo e ter um déjà vu? Calma, se isso já aconteceu com você, tudo será explicado nesta matéria! hahaha Algumas das animações mais famosas da televisão e do cinema usaram a influência dos clássicos e seus astros e estrelas, recriando cenas, trejeitos e/ou características físicas. Confira abaixo os atores e atrizes que serviram de inspiração desenhos animados:

Clark Gable para Pernalonga


Um dos mais famosos personagens da Warner, Pernalonga (Bugs Bunny, no original) fez parte da infância de várias gerações, com seu jeito de malandro e sua esperteza para enganar os rivais, ganhando a preferência do público quase de imediato. Uma de suas marcas registradas, mastigar uma cenoura enquanto fala seu icônico bordão 'O que é que há, velhinho?' (What's Up, Doc?, em inglês), foi inspirada em uma das cenas de 'Aconteceu Naquela Noite' (It Happened One Night, 1934), quando Clark Gable come e fala de boca cheia com Claudette Colbert, com o mesmo ar fleumático e insolente que caracterizam o carismático coelho. O filme é citado como um dos preferidos do animador Friz Freleng, criador das séries de animação Looney Tunes.

Hattie McDaniel para Mammy Two Shoes

Outro desenho que acompanhou gerações, 'Tom & Jerry' apresentava a clássica disputa entre gato e rato, literalmente. A personagem intitulada 'Mammy Two Shoes' aparece em diversos episódios como uma empregada negra da casa onde Tom vive, obrigando-o a caçar Jerry sob a ameaça de expulsão. Baseada na figura da atriz Hattie McDaniel como Mammy em 'E O Vento Levou' (Gone With the Wind, 1939), seu rosto foi visto em poucos episódios, geralmente aparecendo apenas do pescoço para baixo, usando avental ou roupas de dormir. Por conta de sua caracterização estereotipada e muitas vezes pejorativa, a personagem foi substituída da animação após uma campanha da NAACP (em português, Associação Nacional para o Progresso de Pessoas de Cor), realizada após a exibição de um curta-metragem onde caíam de sua roupa objetos como facas e canivetes.

Charles Boyer para Pepe Le Pew


Embora 'Argélia' (Algiers, 1938) não seja tão conhecido nos dias de hoje, na época de seu lançamento o filme causou um grande impacto no público ao juntar um casal de estrangeiros irresistivelmente atraente em um cenário exótico. O refinamento e a elegância de Charles Boyer como o ladrão de joias Pepe Le Moko contrastava com o estilo extremamente norte-americano de galãs da época como Clark Gable ou Gary Cooper, fazendo com que o ator ficasse estigmatizado: 'Na América, quando você tem sotaque, na mente das pessoas elas associam você a beijar as mãos e ser galante. Acho que isso me prejudicou, assim como me prejudicou ser seguido e atormentado por uma frase que nunca disse' ('Venha comigo para a Casbah', frase mais famosa do longa, que na realidade não fez parte do roteiro). Em 1945, foi criado Pepe Le Pew tendo o ator francês e seu desempenho no longa como base. O personagem criado pelo animador Chuck Jones é um cangambá com sotaque francês e um romântico incurável, que vive perseguindo uma gatinha que tenta escapar de todas as formas por causa de seu cheio desagradável. 

Divine para Ursula


Interpretada pelo ator Harris Glenn Milstead, a drag queen Divine foi personagem de uma série de filmes do diretor John Waters, sendo 'Pink Flamingo' (1972) o mais famoso deles. Ícone da contracultura e do cinema trash, Divine serviu de inspiração para Rob Minkoff, após várias e frustradas tentativas de criar uma vilã para a animação da Disney 'A Pequena Sereia' (The Little Mermaid, 1989). Ursula usa sempre uma maquiagem carregada, com lábios vermelhos, olhos destacados e sobrancelhas exageradamente arqueadas, assim como a musa de Waters costumava aparecer.

WC Fields para Mr. Magoo


O comediante W. C. Fields, que ficou eternizado por seus personagens resmungões e atrapalhados, foi uma das inspirações de John Hubley para criar Mr. Magoo. Além do ator, seu tio, Harry Woodruff, também serviu como influência para a criação do velhinho rico, baixinho e míope, que se mete em situações desastrosas por sua falta de visão e de seu mau humor. Os dois tem em comum também os olhos pequenos e o nariz ligeiramente avantajado, além da predileção por chapéus. Os episódios 'When Magoo Flew' (1954) e 'Magoo's Puddle Jumper' (1956) foram vencedores do Oscar de melhor curta de animação.

Veronica Lake, Rita Hayworth e Lauren Bacall para Jessica Rabbit

Jessica Rabbit surgiu no romance de Gary K. Wolf intitulado 'Who Censored Roger Rabbit?', como a sensual viúva do personagem-título e uma das suspeitas de seu assassinato. O autor se baseou no curta-metragem 'Red Hot Riding Hood' para criar sua mais famosa personagem (veja o curta) na publicação lançada em 1981. Ao ser adaptado para as telas em 1988, como 'Uma Cilada Para Roger Rabbit' (Who Framed Roger Rabbit), onde seres humanos e desenhos animados coexistem em uma atmosfera de filme noir dos anos 40, Jessica ganhou ares muito mais insinuantes. Para chegar à femme fatale perfeita, o ilustrador Richard Williams e o diretor Robert Zemeckis juntaram os cabelos de Veronica Lake a uma mistura de Rita Hayworth com Lauren Bacall para colocar em prática um ideal masculino, ganhando ainda a voz de Kathleen Turner, que dublou a personagem.

Red Skelton para Eufrazino


Um dos grandes adversários do Pernalonga, Eufrazino (no original, Yosemite Sam) é um cowboy ruivo, barbudo e de baixa estatura, que odeia coelhos e está sempre de péssimo humor. O personagem criado pelo animador Friz Freleng surgiu em 1945, inspirado nele próprio, como uma caricatura de sua personalidade, nos curtas de animação 'Dangerous Dan McFoo' e, claro, no comediante Red Skelton em um de seus papéis mais marcantes, o totalmente desqualificado para o cargo xerife Deadeye, uma das esquetes de seu programa 'The Red Skelton Show', que foi ao ar de 1951 até 1971.

Natalie Wood para Penélope Charmosa


O filme 'A Corrida do Século' (The Great Race, 1965) foi a grande inspiração para Joseph Barbera e William Hanna criarem o desenho 'A Corrida Maluca' (Wacky Races, no original), que foi ao ar de 1968 até 1969. Com apenas competidores do sexo masculino, Penélope Charmosa (em inglês, Penelope Pitstop) foi a última personagem da animação a ser produzida. Foi baseada na personagem de Natalie Wood no longa, chamada Maggie DuBois. Embora muito feminina, Maggie é uma mulher a frente de seu tempo, trabalha como jornalista, luta esgrima e não mede esforços para conseguir o que quer. Por mais carismática e encantadora que seja, Penélope foi caracterizada como uma moça que só se preocupa com a aparência e é facilmente enganada, estando constantemente em perigo, chegando a ganhar sua própria série em 1969, 'Os Apuros de Penélope' (The Perils of Penelope Pitstop).

Tony Curtis para Peter Perfeito, e Jack Lemmon para Dick Vigarista


Assim como Natalie Wood, seus colegas de elenco no longa, Tony Curtis e Jack Lemmon e seus personagens, Leslie Gallant e Professor Fate, respectivamente, também serviram de inspiração para o desenho 'A Corrida Maluca'. Peter Pefeito (Peter Perfect) foi baseado no egocêntrico Leslie, o competidor que tinha a si mesmo na mais alta conta e era considerado um super star, atraindo a imprensa e o sexo oposto com seus diversos talentos e sua aparência que beirava a perfeição; Já Dick Vigarista (Dick Dastardly) foi inspirado pelo Professor Fate de Lemmon, que se importava mais em atrapalhar seus adversários com tramoias que sempre davam errado do que em dar seu melhor durante a corrida. Seu fiel escudeiro, Max Meen, interpretado por Peter Falk no filme, transformou-se no cachorro Muttley na animação. Assim como Penelope Charmosa, Dick Vigarista e Muttley ganharam seu próprio dsenho em 1969, intitulado 'Dick Vigarista e sua Esquadrilha Abutre' (Dastardly and Muttley in Their Flying Machines), desta vez inspirado em Terry-Thomas e seu personagem Sir Percy Ware-Armitage em 'Esses Homens Maravilhosos e Suas Máquinas Voadoras' (Those Magnificent Men in Their Flying Machines, 1965). 

Hedy Lamarr e Marge Champion para Branca de Neve


Lançada em 1937, 'Branca de Neve e os Sete Anões' (Snow White and the Seven Dwarfs) foi o primeiro longa de animação da Disney. Para conquistar o público com o novo formato, já que até então apenas curta-metragens animados haviam sido feitos, o estúdio resolveu apostar em características mais realistas para a criação da protagonista. Inspirando-se nos traços quase perfeitos daquela que era considerada a mulher mais bela do mundo, Hedy Lamarr, reproduzindo sua pele extremamente alva, os sedosos cabelos negros e os lábios vermelhos, para criar o aspecto etéreo e inalcançável da princesa; A atriz Marge Champion foi contratada para fazer os movimentos e dança e servir como base para os ilustradores e animadores para aumentar a naturalidade de Branca de Neve e torna-la ainda mais feminina e graciosa nas telas.

Joan Crawford e Helen Gahagan Douglas para a Rainha Má


Embora seu espelho mágico lhe revelasse que Branca de Neve era a mais bela do reino, a Rainha Má (Evil Queen) também deveria ser retratada como uma mulher estonteante. Para contrastar com a beleza delicada e angelical de sua enteada, a rainha possuía um visual com sobrancelhas finas e arqueadas, enormes olhos e lábios extremamente delineados, inspirados em estrelas da década de 30, como Gale Sondergaard, Marlene Dietrich, Greta Garbo e, principalmente, Joan Crawford, que costumavam interpretar personagens dúbias, mundanas e, muitas vezes, cruéis. Já seu icônico figurino foi baseado nass roupas utilizadas por Helen Gahagan no filme 'Ela - A Feiticeira' (She, 1935).

Katharine Hepburn para Belle


A roteirista Linda Woolverton queria que Belle, protagonista da animação 'A Bela e a Fera' (Beauty and the Beast, 1991) fosse diferente das demais princesas da Disney, frágeis, ingênuas e reféns de sua própria beleza. Sua intenção era fazer uma personagem forte, que representasse o feminismo, com inteligência, graciosidade e ideias à frente de seu tempo. Sua principal influência foi a versão de Katharine Hepburn como Jo March em 'As Quatro Irmãs' (Little Women, 1933), com seu espírito aventureiro e seu amor pela leitura. Quanto à aparência, há especulações que diversas atrizes tenham sido utilizadas como inspiração, dentre elas Audrey Hepburn, Vivien Leigh, Natalie Wood, Elizabeth Taylor e Grace Kelly.

Bela Lugosi para Chernabog


'Fantasia' (Fantasy, 1940) é um dos mais ousados e aclamados longas de animação da Disney. Criado para renovar a popularidade do Mickey, o filme possui 8 seguimentos com peças de músicas clássicas. Em 'Night on Bald Mountain', onde um demônio chamado Chernabog evoca espíritos malignos à meia-noite, ninguém menos que Bela Lugosi poderia ter sido a inspiração para a assustadora criatura. O ator, já famoso por sua interpretação do vampiro Drácula, passou o dia fazendo movimentos de referência para dar mais realismo ao personagem, mas o animador Vladimir Tytla acabou não gostando do resultado final e não utilizou as imagens produzidas.

Helen Kane e Betty Boop


Criada por Grim Natwick, que trabalhava para Max Fleischer na Fleischer Studios em 1930, tendo sua primeira aparição em 'Dizzy Dishes', ainda com orelhas de cachorro (que posteriormente se transformaram em brincos) a história sobre a inspiração para Betty Boop por si só já daria um enredo de filme envolvendo artimanhas, blefes e plágios. Com a popularidade da animação crescendo, a atriz e cantora Helen Kane logo notou sua própria semelhança com a personagem, decidindo processar Fleischer e Natwick por utilizarem sua imagem e seu estilo musical sem sua autorização. Kane havia ficado famosa por conta de sua aparência de melindrosa, sua voz estridente e infantilizada e pelo uso de palavras aparentemente sem sentido durante as músicas, que ficou conhecido como 'Boop-Oop-a Doop'. No tribunal, em uma disputa que durou duas semanas, foram apresentadas provas de que Helen Kane na realidade havia copiado o estilo de cantar de Baby Esther, uma artista infantil negra que fez um enorme sucesso durante a década de 20, fazendo turnês nos EUA, na Europa e na América do Sul, incluindo Rio de Janeiro e São Paulo. Uma gravação de Baby Esther chegou a ser utilizada como prova para desacreditar a versão da atriz, assim como fotos de estrelas da época, como Clara Bow, que demonstravam que o visual de Kane não era único, como ela alegara. O juiz acabou decidindo em favor de Max Fleischer e Grim Natwick por não haver evidencias suficientes para apoiar a reclamação de Kane. Embora tenham sido apresentadas provas substanciais de que a artista de fato havia assistido a uma das performances de Baby Esther e que passou a utilizar sua forma de cantar, anos mais tarde Natwick confirmou que havia usado uma de suas fotografias como inspiração para a criação de Betty Boop.

Bônus:

Mickey Rooney para Archie


Em 1941 o editor John Goldwater lançava a revista em quadrinhos Archie Comics narrando as aventuras do adolescente Archie na pequena cidade Riverdale e seu triângulo amoroso com as amigas Betty e Veronica. A publicação foi criada especificamente com intuito de atrair os ardorosos fãs de Andy Hardy, interpretado por Mickey Rooney, que havia aparecido pela primeira vez de forma despretensiosa no longa 'Uma Questão de Família' (A Family Affair, 1937) e desde então se tornara uma febre, com uma série de 16 filmes, que duraram até 1958.

Edith Head para Edna Moda


Um dos grandes destaques do longa Os Incríveis (The Incredibles, 2004) e de sua sequência, lançada em 2018, foi a excêntrica e diminuta estilista Edna Moda (Edna mode). Os óculos redondos e o cabelo chanel de franja não negam a semelhança com Edith Head, uma das grandes figurinistas da era de ouro de Hollywood, com impressionantes 445 créditos no cinema, com clássicos do gabarito de 'A Malvada' (All About Eve, 1950), 'A Princesa e o Plebeu' (Roman Holiday, 1953) e 'Ladrão de Casaca' (To Catch a Thief, 1955). Acredita-se que outras influências para sua criação foram a temida editora-chefe da Vogue Anna Wintour e a atriz Linda Hunt.


Filmes com Gene Tierney online e de graça no Youtube

 Aproveitando a deixa da última postagem aqui do blog 'Gene Tierney, Agatha Christie e A Maldição do Espelho', onde apresentei um lado da atriz que não é tão conhecido pelo público em geral, achei que seria interessante também colocar um pouco mais sobre seu trabalho no cinema para quem é seu fã e também para quem gostaria de descobrir mais sobre ela. Uma das atrizes mais belas e talentosas da década de 40, foi dirigida por alguns dos nomes mais renomados da época, como os diretores Otto Preminger, Ernst Lubitsch e Joseph L. Mankiewicz, e atuou ao lado de astros do calibre de Tyrone Power, Henry Fonda e Clark Gable. Confira abaixo seus filmes disponíveis no Youtube gratuitamente:

Amar Foi Minha Ruína (Leave Her to Heaven, 1945)


O escritor Richard Harland (Cornel Wilde) conhece a socialite Ellen Berent (Gene Tierney) em um trem que vai para o Novo México. A atração é mútua e eles decidem se casar imediatamente. Todos ficam felizes com a notícia, menos Russel Quinton (Vincent Price), o noivo de Ellen. (Assista aqui)

O Diabo Disse Não (Heaven Can Wait, 1943)


O playboy Henry Van Cleve (Don Ameche) morre e vai para o inferno por acreditar que merece estar ali pela vida que levou, com muita bebida e mulheres. O diabo não se convence que ele deveria estar lá e pede que conte toda sua vida para fazer uma avaliação. (Assista aqui)

Ela Queria Riquezas (Rings on Her Fingers, 1942)


Susan Miller (Gene Tierney) é uma pobre vendedora de uma loja que sonha em poder comprar tudo aquilo que é capaz de vender. Ela conhece uma dupla de vigaristas que prometem a realização de todos os seus sonhos materiais e a convencem a dar golpes em homens ricos, seduzindo-os com seu charme e beleza. (Assista aqui)

A Viúva Negra (Black Widow, 1954)


Um produtor casado da Broadway (Van Heflin) conhece uma jovem inocente que quer ser escritora e vencer na Broadway (Peggy Ann Garner). Ele decide colocá-la sob sua proteção, mas não demora muito para que a jovem seja encontrada morta em seu apartamento. A princípio considerado suicídio, descobre-se mais tarde que ela foi assassinada, e a suspeita recai imediatamente sobre o produtor. Ele começa sua própria investigação a fim de limpar seu nome, e uma das primeiras coisas que descobre é que a jovem não era tão ingênua e inocente quanto parecia ser. (Assista aqui)

Esse Impulso Maravilhoso (That Wonderful Urge, 1948)


Rica herdeira (Gene Tierney) cansada de ser perseguida pela imprensa, resolve partir para o contra-ataque e anuncia que casou em segredo com famoso repórter (Tyrone Power). (Assista aqui)

O Egípcio (The Egyptian, 1954)


No Antigo Egito, um curandeiro adota Sinuhe, um bebê abandonado que mais tarde (Edmund Purdom) se tornaria médico do faraó Aquenáton (Michael Wilding) e dividirá as atenções entre a escrava Merit (Jean Simmons) e a ambiciosa cortesã Beketamon (Gene Tierney). (Assista aqui)

Caminho Áspero (Tobacco Road, 1941)


Numa adaptação da controversa peça de Jack Kirkland (que por sua vez foi adaptada da ainda mais controversa obra de Erskine Caldwell), 'Caminho Áspero' narra em detalhes a imoralidade sórdida que vigora entre tacanhos pobres brancos. Para escrever seu livro, Caldwell inspirou-se nas pessoas que conheceu durante sua infância e adolescência na Georgia, e construiu uma obra que era muito chocante para a época devido a seus explícitos detalhes sexuais, entre outras coisas. Dirigido por John Ford, o filme tem como foco os Lester, uma grande família pouco ambiciosa e bem caipira. A família está prestes a ser despejada de suas terras porque pararam de pagar o aluguel, mas eles continuamente esquivam-se de todos que tentam ajudá-los. Apesar de não ser tão explícito quanto o livro ou a peça de teatro, ainda assim o filme foi considerado bastante provocador pelo público da época. (Assista aqui)

O Fio da Navalha (The Razor's Edge, 1946)


Um veterano da Primeira Guerra Mundial, Larry Darrell (Tyrone Power), que descobre que não pode retornar para seu mundo de classe privilegiada. Fugindo de seu planejado casamento e carreira, ele viaja para outro país em busca de um significado para a vida, fazendo sua transtornada noiva Isabel (Gene Tierney) buscar segurança junto a outro homem. (Assista aqui - Dublado)

Gene Tierney, Agatha Christie e A Maldição do Espelho

Antes de começar a ler, saiba que este texto vai conter spoiler sobre o livro 'A Maldição do Espelho'. Se você ainda não leu ou viu a adaptação para o cinema e não quer descobrir o final agora, essa matéria não é para você, pelo menos por enquanto! Mas, se quiser, volta aqui depois que ler o livro pra saber sobre o assunto!


Lançado em 1962, o romance policial 'A Maldição do Espelho' (The Mirror Crack'd from Side to Side, no original) seria somente mais um dos livros de mistério escritos por Agatha Christie e protagonizados pela perspicaz Miss Marple, não fosse as semelhanças apresentadas no desfecho com um fato lamentável na vida da atriz Gene Tierney.

Embora a assessoria da escritora tenha negado as alegações, afirmando serem apenas coincidência, a similaridade entre as duas histórias - a real e a fictícia - é tão explícita que fica quase impossível de acreditar em tal versão. Além do mais, a Rainha do Crime sempre falou abertamente sobre seu olhar aguçado para as notícias e até mesmo para fatos cotidianos ao seu redor, e sobre sua facilidade em imagina-los como um possível enredo mirabolante para suas tramas, como por exemplo o amplamente noticiado Rapto Lindbergh, utilizado como inspiração de um de seus mais emblemáticos trabalhos, 'Assassinato no Expresso Oriente', publicado originalmente em 1934. 

O enredo do livro


A história tem início quando a famosa atriz Marina Gregg se muda para a pacata aldeia St. Mary Mead, na Inglaterra, junto com seu marido, Jason Rudd. Após reformarem a mansão 'Gossington Hall' (onde também é ambientado o livro 'Um Corpo na Biblioteca', publicado em 1942), o casal decide dar uma festa para alguns amigos, com um coquetel aberto para os moradores da pequena cidade. Durante a comemoração, uma das convidadas, Heather Badcock, uma mulher tola e estabanada que afirma ser uma grande fã de Marina, acaba passando mal subitamente e morrendo na frente dos presentes. 
A perícia conclui que a causa da morte fora envenenamento e que Heather não era o verdadeiro alvo do assassino, e sim a Sra Gregg, já que por um acidente as duas haviam trocado os copos de suas bebidas. 

Não demora muito para que a detetive amadora Miss Marple se meta no caso, contando com as informações valiosas de sua amiga, Sra. Bantry, antiga dona da mansão e que presenciou todo o acontecido de perto. Segundo seu relato, enquanto Heather Badcock tietava a estrela de cinema, os olhos desta pareciam congelados e aterrorizados, fixados em um ponto específico mas indeterminado. No decorrer da investigação, descobre-se que a vida glamourosa de Marina Gregg esconde um delicado estado psicológico, desencadeado pelo nascimento de um filho deficiente, como sequela da rubéola que a atriz contraiu durante a gestação. 

O assassinato é desvendado ao final da trama por Miss Marple, que após pesquisar em jornais e revistas antigas sobre a vida da estrela, constata que a própria Marina é a criminosa. Seu 'olhar congelado' fora uma viagem no tempo ao escutar as palavras de Heather que, animada e estupidamente, contava que anos antes havia fugido de seu quarto de hotel para vê-la de perto durante uma viagem as Bermudas, mesmo estando de quarentena após ter contraído rubéola. Ao finalmente perceber o motivo pelo qual sua felicidade havia sido destruída, ela decide matar a mulher responsável por todo seu sofrimento. 

A inspiração para a história


Gene Eliza Tierney iniciou sua carreira aos 19 anos no filme 'O Retorno de Frank James' (The Return of Frank James, 1940) ao lado de Henry Fonda, após ser descoberta por Darryl F. Zanuck, fundador da 20th Century Fox, que a considerava o rosto mais lindo da história do cinema. A bela jovem logo se destacou em sua nova profissão e emendou um trabalho após o outro, sendo uma das atrizes mais requisitadas da década de 40. Em sua vida pessoal as coisas também iam bem. Após um rápido namoro com o estilista Oleg Cassini, os dois se casaram escondidos, para desgosto de seu pai, que reprovava o rapaz. Em 1943, a atriz ficou grávida da primeira filha do casal.

Gene Tierney com o marido Oleg Cassini

Durante a gestação, ela aceitou o convite para participar do Hollywood Canteen, uma espécie de clube onde as maiores estrelas da época se apresentavam, dançavam e até serviam comida para os soldados que estavam alistados durante a Segunda Guerra Mundial. Organizado por Bette Davis e John Garfield, contou com a participação de diversos nomes do entretenimento, como Hedy Lamarr, Frank Sinatra, Linda Darnell, Joan Crawford, Rita Hayworth e Marlene Dietrich. Com os enjoos e o mal estar do início da gravidez, Gene Tierney compareceu apenas uma vez para dar sua colaboração à iniciativa. Pouco tempo depois, a atriz descobriu que havia contraído rubéola e a doença tinha causado sérios danos congênitos à sua filha, Antoinette Daria Cassini, nascida prematuramente em 15 de setembro do mesmo ano. Pesando pouco mais de um quilo, a criança necessitou de diversas transfusões de sangue, era surda, parcialmente cega e tinha uma deficiência mental grave. Em sua autobiografia, intitulada 'Self-Portrait', a estrela descreve que alguns anos depois do nascimento de Daria, encontrou uma jovem fã que lhe revelou que durante a guerra, quando estava alistada, fugiu de sua quarentena de rubéola unicamente para conhecer sua atriz preferida no Hollywood Canteen. E assim, despretensiosamente, ela soube como contraiu a doença que causara tanto sofrimento à sua família. Diferente da personagem de Agatha, ela apenas virou as costas e foi embora.

Bette Davis servindo um jovem soldado no Hollywood Canteen

No auge de sua carreira e com um contrato a cumprir, Gene se entregou ao trabalho e estrelou alguns de seus maiores sucessos durante os anos seguintes, aparecendo em filmes como 'Laura' (1944), 'O solar de Dragonwick' (Dragonwyck, 1946), 'O Fio da Navalha' (The Razor's Edge, 1946), 'O Fantasma Apaixonado' (The Ghost and Mrs. Muir, 1947), 'A Ladra' (Whirlpool, 1950), 'Sombras do Mal' (Night and the City, 1950) e 'Passos na Noite' (Where the Sidewalk Ends, 1950), além de receber uma indicação ao Oscar por sua brilhante atuação como a vilã Ellen em 'Amar Foi Minha Ruína' (Leave Her to Heaven, 1945).

A atriz em cena de 'Amar Foi Minha Ruína', sua única indicação ao Oscar

Paralelamente, após quatro anos sendo consultada pelos melhores especialistas da época, Daria foi internada na ELWYN, uma instituição especializada em deficiência intelectual, onde passaria a maior parte de sua vida, já que seu estado exigia constantes cuidados profissionais. Embora possa parecer uma atitude um pouco fria vista pela ótica dos dias de hoje, antigamente internações eram uma prática comum, especialmente quando relacionadas à saúde mental; Gene e Oleg Cassini se separaram em 1946, reatando o casamento algum tempo depois. Tiveram outra filha, Christina Cassini, nascida em 19 de novembro de 1948, embora o divórcio definitivo do casal tenha sido oficializado em março do mesmo ano. A atriz chegou a ter relacionamentos com o futuro presidente John Kennedy e com o Príncipe Ali Khan, que havia sido casado com Rita Hayworth. 

Com a filha, em 1943

Embora sua carreira tenha se mantido sólida até então, em 1953 a atriz começou a dar sinais de seu desgaste mental, desistindo de seu papel na refilmagem de 'Terra de Paixão' (Red Dust, 1932), onde contracenaria com Clark Gable e Ava Gardner. Sua personagem no clássico 'Mogambo' (1953), acabou sendo interpretada por Grace Kelly. Seus problemas de concentração e suas falhas de memória ficaram ainda mais evidentes durante as gravações do filme 'Do Destino Ninguém Foge' (The Left Hand of God, 1955). Humphrey Bogart, por ter uma irmã que sofria de transtornos psiquiátricos, demonstrou muita sensibilidade e empatia com as dificuldades enfrentadas por sua colega de elenco no decorrer das filmagens, ajudando-a com suas falas e sugerindo que procurasse tratamento. 

Com Grace Kelly e Clark Gable na pré-estreia de 'Mogambo', filme quase estrelado por ela

Foi internada em sanatórios em Nova York e Connecticut, onde foi submetida a cerca de 27 sessões de eletrochoque. O tratamento, que estimula convulsões através de choques elétricos, era uma considerada uma técnica inovadora na época, frequentemente utilizada em casos de depressão grave e esquizofrenia, dentre outras doenças. Embora a eletroconvulsoterapia (ECT) esteja sendo estudada até os dias de hoje, com muitos acreditando ser ainda a melhor opção disponível em casos mais críticos, na primeira metade do século XX, esta forma de tratamento era utilizada de maneira bem mais agressiva. A atriz chegou a declarar sobre sua internação: 'Foi a época mais degradante da minha vida. Eu me senti como um rato de laboratório'. Além dela, nomes como Carmen Miranda, Frances Farmer e Sylvia Plath são famosas pacientes que passaram por sessões de eletrochoque. 

No final de 1957, Gene foi contida pela polícia após permanecer parada por 20 minutos no peitoril do apartamento de sua mãe em Manhattan, numa tentativa de suicídio, sendo novamente internada, desta vez na Clínica Menninger, em Topeka, Kansas. Recebeu alta no ano seguinte e começou a trabalhar em uma loja de departamentos anonimamente como forma de reabilitação, mas não demorou muito para ter reconhecida e ir parar nas páginas dos tabloides sensacionalistas.

Gene Tierney trabalhando em uma loja fotografada por Francis Miller

Ainda em 1958, conheceu o barão do petróleo W. Howard Lee, marido da também atriz Hedy Lamarr, de quem se divorciou oficialmente em 1960. Howard e Gene se casaram em julho deste mesmo ano; Recebeu um convite para estrelar a comédia 'Amantes em Férias' (Holiday for Lovers, 1959) porém acabou recusando por não se sentir completamente recuperada, retornando por um tempo à Clínica Menninger. O papel acabou sendo de Jane Wyman. Atuou no episódio 'Journey to a Wedding' da série 'General Electric Theater' mas sua volta às telonas aconteceu apenas no filme 'Tempestade Sobre Washington' (Advise & Consent, 1962), sendo novamente dirigida por Otto Preminger, repetindo a parceria de seu maior sucesso, 'Laura' (1944). Também apareceu nos longas 'Na Voragem das Paixões' (Toys in the Attic, 1963), 'Quatro Noites de Lua Cheia' (Four Nights of the Full Moon, 1963) e 'Em Busca do Prazer' (The Pleasure Seekers, 1964), aposentando-se de sua carreira no cinema. Seus últimos trabalhos foram o filme para a televisão 'Daughter of the Mind' (1969), ao lado de Ray Milland, e uma participação nas séries 'The F.B.I' (1965 - 1974), em 1969, e 'Escrúpulos' (Scruples, 1980).

Em seu casamento com W. Howard Lee, em 1960

Gene Tierney e W. Howard Lee permaneceram casados até a morte dele, em 1981. Os dois viveram de maneira tranquila, longe da mídia em Houston, Texas , e Delray Beach, Flórida. Ela chegou a engravidar novamente em 1960, se retirando da produção 'De Volta à Caldeira do Diabo' (Return to Peyton Place, 1961). A gestação foi interrompida por um aborto espontâneo. Sua autobografia 'Self-Portrait' foi publicada em 1979. Gene morreu apenas duas semanas antes de completar 71 anos, em 6 de novembro de 1991, em consequência de um enfisema pulmonar, causado por seus anos como fumante. A atriz aderiu ao vício em cigarro para engrossar sua voz após a estreia de seu primeiro filme em Hollywood, alegando que parecia uma Minnie Mouse furiosa toda vez que falava. Daria Cassini faleceu em 11 de setembro de 2010 e sua irmã, Christina, em 31 de março de 2015.

Abaixo uma entrevista com a atriz em 1985 (sem legenda em português):


Adaptação do livro para o cinema


Em 1980, o romance de Agatha Christie ganhou uma adaptação para o cinema repleta de nomes conhecidos pelo público. Ambientada em 1953, a trama do longa ganhou algumas mudanças como o nome da protagonista vivida por Elizabeth Taylor, que se tornou Marina Rudd. Além da estrela, o elenco foi composto por Rock Hudson, Kim Novak, Tony Curtis, Geraldine Chaplin e Angela Lansbury, que aos 55 anos, mesma idade de Hudson e Curtis, interpretou a idosa Miss Marple. O filme marcou o retorno de Liz Taylor às telas após uma pausa de 4 anos, período em que apareceu apenas na televisão. A atriz substituiu Natalie Wood, que havia sido primeira escolha dos produtores para o papel.

Links (clique em cima do título):











Filmes sobre xadrez

Aproveitando o tema da excelente minissérie da Netflix 'O Gambito da Rainha' (The Queen's Gambit, 2020), confira abaixo uma list...