A Felicidade Não Se Compra (It's a Wonderful Life, 1946)


A Felicidade Não Se Compra é uma daquelas jóias cinematográficas com o poder de deixar qualquer um com um sorriso no rosto e com aquela sensação de flutuar que temos quando estamos apaixonados, porém não por uma pessoa, e sim por uma história, nesse caso. Já havia mencionado o meu amor pelo longa estrelado por James Stewart em uma lista feita há algum tempo aqui no blog, chamada '5 filmes anti-depressivos', em que coloquei justamente enredos com essa característica mágica de renovar as nossas esperanças de acreditar que coisas boas podem sim acontecer, ideais para aqueles dias em que estamos pra baixo, com a certeza de que a vida é uma droga! hahahaha


Embora seja natalino, o roteiro não gira exatamente em torno desta data, ao contrário de outros filmes com este tema. Durante a maior parte do longa, acompanhamos a vida do protagonista George Bailey, desde a infância, passando pela juventude, pela formação de sua família, suas dificuldades, até chegarmos na parte final, onde aí sim o Natal terá uma grande importância no desfecho da história. Entretanto, mais do que apenas as cenas que se passam durante as festas, toda a mensagem do filme é carregada de um imenso espírito natalino que basicamente nos arrebata, fazendo com que seja um clichê em qualquer 'maratona de filmes de Natal'.


É quase impossível acreditar que A Felicidade Não Se Compra foi um fracasso de bilheteria na época de seu lançamento, porém por ter estreado apenas uma semana após Os Melhores Anos de Nossas Vidas, que contava com um elenco estelar e a direção de grande William Wyller, o filme acabou sendo ofuscado, perdendo espaço não só com o público como também na corrida por indicações ao Oscar. Mesmo sem o destaque merecido, James Stewart declarou que George era seu personagem mais querido, assim como o diretor Frank Capra também considerava o longa como seu favorito dentre suas obras. Capra, alias, fez questão de ter Stewart, seu ator predileto, como protagonista, já que originalmente o roteiro havia sido pensado para Cary Grant.

Cena de Esqueceram de Mim 2, em que a família assiste ao clássico na televisão

Ironicamente, o filme tornou-se um grande clássico devido às excessivas reprises nos canais de televisão, principalmente nos finais de ano, que aumentaram ainda mais após uma confusão na renovação dos direitos autorais, que fez com que o longa ficasse em domínio público aumentando ainda mais sua exibição por muitos anos, fato só revertido nos anos 90, após várias batalhas judiciais.


Um pouco sobre a história

Na pequena cidade Bedford Falls, vive George Bailey, um homem bom e comum, porém frustrado com a vida que leva. Passamos a acompanhar sua trajetória desde a infância, onde podemos ver o quão sonhador ele é desde garoto, almejando um futuro glorioso para si.


No entanto, pelas chamadas 'circunstâncias da vida', George vê seus sonhos escapando por entre seus dedos ano após ano. Com planos de sair da cidade para fazer faculdade de arquitetura, curiosamente a formação real do próprio James Stewart, o jovem, que é o primogênito, acaba adiando os estudos devido a um acordo feito com seu pai, no qual aguardaria alguns anos para que o irmão mais novo se formasse primeiro, enquanto ele ficaria cuidando dos negócios da família. Quando seu irmão retornasse, seria a vez dele de finalmente ir aprender a 'construir coisas', como dizia. Mas a volta de seu irmão traz apenas decepções para George, já que ele se vê obrigado a sacrificar seu próprio sonho para não estragar a promissora carreira do rapaz. Com isso, ele recebe o golpe de ter que ficar para sempre estagnado em uma cidade do interior, em uma profissão que não gosta, tendo ainda que lidar com o ganancioso Sr Potter, vivido por Lionel Barrymore, um homem que parece ter saído de um livro de Charles Dickens, tal qual Ebenezer Scrooge, de Um Conto de Natal (A Christmas Carol), pois parece amar e se importar apenas com o dinheiro, tratando todos a sua volta com tremendo desprezo e tirania.


Por outro lado, durante este período, ele reencontra Mary, interpretada por Donna Reed em seu primeiro papel principal, uma bela jovem que é apaixonada por ele desde a infância, mas que ele costumava esnobar quando pequeno. Após algumas dificuldades, dentre as quais Mary desconta sua raiva num disco, gerando o famoso meme da internet, os dois acabam se casando e formando uma bela família.


A personagem Mary chegou a ser oferecida para atrizes como Olivia de Havilland e Ginger Rogers, ambas ex-namoradas de Stewart, além de Jean Arthur, favorita de Frank Capra, a quem já havia dirigido em O Galante Mr Deeds (Mr. Deeds Goes to Town, 1936), Do Mundo Nada Se Leva (You Can't Take It with You, 1938), e A Mulher Faz o Homem (Smith Goes to Washington, 1939).


Apesar de experiente, James Stewart estava bastante nervoso com a cena de beijo, a primeira gravada após seu retorno da Guerra. Porém, os dois atores demonstraram tanta naturalidade e paixão, que foi gravada logo na primeira tomada.


Voltando ao filme, apesar da felicidade familiar de George, em seu trabalho ele não tem a mesma sorte. Durante décadas o poderoso Sr Potter, cujo maior objetivo era dominar toda a cidade, encontrou em George uma pedra no sapato, já que graças a ele a população conseguia empréstimos que o impediam de conseguir seus objetivos. Mas quando o atrapalhado tio Billy perde uma grande quantia em dinheiro, Potter fica com um enorme trunfo em suas mãos, o que faz com que George fique em uma situação extremamente complicada. Em desespero, todas as frustrações reprimidas de sua vida, todos sonhos desfeitos, adicionados ao problema financeiro em que se encontra, faz com que o rapaz considere que sua única opção é cometer suicídio, já que assim estará protegendo sua família e achando não fará mesmo grande diferença no mundo. 


Planejando pular de uma ponte, cena alias gravada em pleno verão, em um calor insuportável, apesar de toda a neve falsa em volta, George recebe uma visita inesperada de um desastrado anjo, que ainda por cima não tem asas! Na verdade, o anjo, chamado Clarence, espera há séculos pela oportunidade de ganhar suas sonhadas asas, e torce para que George o ajude a consegui-las. Embora num primeiro momento ele não leve muita fé nas habilidades de Clarence, ele mostra para George como seria a vida de todos que ele conhece caso sua existência fosse apagada. E, assim, vendo sua esposa e seus amigos infelizes e com muito mais dificuldades, George percebe que de alguma maneira, mesmo sem ter percebido, ele foi capaz de tocar cada um deles e fazer a diferença em suas vidas. Tomado por uma alegria indefinível por estar de volta, ele decide não desistir e pela primeira vez realmente toma as rédeas de sua história e começa a valorizar todas as suas conquistas, recebendo o apoio e o carinho de todos na cidade. 


Um filme que vale a pena ser visto e ter em sua coleção, o dvd de A Felicidade Não Se Compra acaba de ser lançado pela Classicline e se encontra disponível nas melhores lojas do ramo. Pra comprar, clique aqui.


Postagens mais visitadas