Atores que protagonizaram duas versões de um mesmo filme

Abaixo, uma seleção de refilmagens que tiveram como protagonistas os mesmos atores das versões originais, reprisando seus papéis. Nesta lista, colocarei apenas os filmes clássicos, deixando de lado produções mais atuais.

Sean Connery em 007 Contra a Chantagem Atômica (1965) e 007 Nunca Mais Outra Vez (1983)


Primeiro ator a viver James Bond nas telas, Sean Connery estrelou 5 filmes da franquia durante a década de 60. Após uma breve pausa, na qual George Lazenby interpretou o agente britânico em '007 - A serviço Secreto de Sua Majestade' (On Her Majesty's Secret Service), Connery voltou a ter licença para matar em 1971, no filme '007 - Os Diamantes São Eternos' (Diamonds Are Forever). Após este retorno, o ator jurou que jamais atuaria novamente como o personagem. No entanto, em 1983, quando o atual Bond era Roger Moore, foi feita uma produção paralela e considerada não-oficial, onde Sean Connery pagou a língua e mais uma vez desempenhou seu papel mais famoso, em '007 Nunca Mais Outra Vez' (Never Say Never Again), título que faz uma brincadeira, sugerida por sua própria esposa, com a promessa quebrada. A obra não pôde utilizar marcas registradas como a logo e a trilha sonora que já eram tradicionais e não obteve o mesmo sucesso dos trabalhos anteriores. A história nada mais era do que uma refilmagem de '007 Contra a Chantagem Atômica' (Thunderball), estrelado em 1965 pelo próprio Connery, considerado um dos mais lucrativos da franquia.

*Quem quiser saber mais, leia também a matéria Tudo sobre James Bond*

Clark Gable em Terra de Paixão (1932) e Mogambo (1953)


Em 1932, Gable estrelou ao lado de Jean Harlow e Mary Astor o triângulo amoroso entre o dono de uma plantação de borracha, uma prostituta e a esposa de um de seus funcionários. Vinte e um anos mais tarde, Gable protagonizou Mogambo, onde vive um caçador que se encontra dividido entre uma antiga amante e uma mulher casada. Apesar de algumas sutis diferenças, o longa de 1953 é uma refilmagem de Terra de Paixão.

Ingrid Bergman em Intermezzo (1936 e 1939)


Ao assistir o drama sueco Intermezzo, que fala sobre o amor proibido entre um violonista casado e uma professora de piano, David O. Selznick logo notou a jovem promissora que protagonizara o longa. Rapidamente tratou de contactar a bela atriz e traze-la para Hollywood, onde fez sua estreia na versão americana do filme, lançado em 1939 e intitulado Intermezzo: Uma História de Amor (Intermezzo: A Love Story). A jovem em questão era a futura estrela Ingrid Bergman, que fez paz romântico, respectivamente, com os atores Gösta Ekman e Leslie Howard nas obras citadas.

Ingrid Bergman como Joana D'Arc (1948 e 1954)


Outro papel interpretado por ela mais de uma vez foi o de Joana D'Arc. A atriz, que já havia interpretado a mártir francesa no teatro em 1946, realizou seu sonho de levar a história para as telonas dois anos depois, no longa que levou o nome da personagem (em inglês Joan of Arc). Anos mais tarde, em 1954, ela estrelou a versão musical que conta o martírio da heroína no filme Joana d'Arc de Rossellini (Giovanna d'Arco al rogo), dirigido por seu então marido Roberto Rossellini.

Greta Garbo como Anna Karenina (1927 e 1935)


Greta Garbo viveu pela primeira vez a protagonista da obra de Liev Tolstoy ainda no cinema mudo, no filme intitulado Love, em 1927. Alguns anos depois, em 1935, já no cinema falado, ela voltou a interpretar a personagem-título em uma das adaptações mais famosas e aclamadas do romance russo. Na trama, uma bela aristocrata se encontra em um casamento sem amor e choca a sociedade da época ao abandonar o marido e o filho para viver uma relação imprópria com um oficial sedutor.

Greta Garbo como Anna Christie (Versão americana e alemã, 1930)


Anna Christie é conhecido por ser o primeiro filme falado de Greta Garbo, mas poucos sabem que existe uma versão alemã do longa, também estrelado pela atriz. Durante as primeiras produções do cinema sonoro, era comum que fossem feitas também versões em línguas estrangeiras das obras, muitas vezes utilizando os mesmos cenários, figurinos e até mesmo atores, como neste caso. As películas são ambas de 1930, sendo adaptações da peça de Eugene O'Neill para as telas.

Os filmes Orquídeas Selvagens (Wild Orchids, 1929) e O Véu Pintado (The Painted Veil, 1934), ambos também protagonizados por Garbo, embora não sejam exatamente versões de uma mesma história, possuem um enredo bastante semelhante.

Oliver Hardy e Stan Laurel em Duck Soup (1927) e Outra Encrenca (1930)


Baseado num esboço escrito pelo pai de Stan Laurel em 1908, os dois curta-metragens foram estrelados por uma das duplas mais famosas do cinema. Apesar das duas versões terem sido filmadas no curto intervalo de 3 anos, a primeira, intitulada 'Duck Soup' é muda, enquanto 'Outra Encrenca' (Another Fine Mess, 1930) já faz parte da era sonora. Conta a história de dois vagabundos que se instalam em uma mansão vazia e precisam se virar para não serem pegos quando aparecem interessados em alugar o local. Para quem quiser assistir, os dois curtas estão disponíveis no Youtube. (Clique aqui) para ver Duck Soup e (aqui) para ver Outra Encrenca.

James Stewart em Harvey (1950 e 1972)


Além das duas versões, James Stewart interpretou Elwood P. Dowd também na Broadway. O ator Jesse White foi seu companheiro de elenco nas três produções, vivendo Duane Wilson. A história gira em torno de um homem que afirma ter amizade com um coelho gigante que ninguém é capaz de ver. Embora a adaptação cinematográfica de 1950 seja mais famosa, Stewart declarou ter ficado mais satisfeito com sua atuação na versão da comédia feita para a televisão, em 1972.

John Wayne em Onde Começa o Inferno (1959) e El Dorado (1967)


Embora o diretor Howard Hawks tenha negado veementemente ter feito duas versões de um mesmo filme, é um fato óbvio que El Dorado (1967), estrelado por John Wayne e Robert Mitchum, é uma refilmagem de Onde Começa o Inferno (Rio Bravo, 1959), protagonizado também por John Wayne, só que desta vez ao lado de Dean Martin. Os dois longas, no entanto, tem algumas diferenças no roteiro. Enquanto no primeiro o personagem de Wayne é o xerife, no faroeste de 1967 ele interpreta um pistoleiro. Apesar disso, as duas produções contém basicamente o mesmo enredo.

Alan Hale como Little John em Robin Hood (1922, 1938 e 1950)


Alan Hale (não confundir com seu filho, o também ator Alan Hale Jr) interpretou o fiel escudeiro de Robin Hood em 3 filmes diferentes, com protagonistas distintos. O primeiro, em 1922, ainda no cinema mudo, teve como astro Douglas Fairbanks, que coincidentemente também não deve ser confundido com seu filho, Douglas Fairbanks Jr. A versão mais famosa da história é certamente a de 1938, estrelada por Errol Flynn, intitulada As Aventuras de Robin Hood (The Adventures of Robin Hood). Em 1950, ele viveu o personagem pela última vez, retratando um Little John já envelhecido no longa O Cavaleiro de Sherwood (Rogues of Sherwood Forest), com John Derek no papel principal, de filho do lendário fora da lei.

Bônus:

Michael Caine em Jogo Mortal (1972) e Um Jogo de Vida ou Morte (2007)


No longa de 1972, Michael Caine divide a cena com ninguém menos que Laurence Olivier, numa trama onde um marido traído decide enfrentar o amante mais jovem de sua esposa em um jogo arriscado. Já em 2007, Caine passou para o outro lado, vivendo o rico e excêntrico escritor que busca se vingar do novo namorado de sua mulher, interpretado por Jude Law.



Lembram de mais exemplos? Gostariam de uma versão de diretores? Comentem aqui embaixo! 

Postagens mais visitadas deste blog

8 atores que se suicidaram

O filho que Alain Delon abortou

20 Funko Pops de filmes pra você se apaixonar