Jennifer O'Neill e O Verão de 42 (Summer of '42, 1971)


'Quando eu tinha 15 anos e viemos para a ilha passar o verão, não havia tantas casas ou pessoas como agora. A geografia da ilha e a singularidade do mar eram muito mais notáveis. E se alguém sentisse solidão, sua família fazia com que as famílias da vizinhança trouxessem seus filhos para a ilha. Junto comigo no verão de 42, estavam Oscy, meu melhor amigo. E Benji, meu segundo melhor amigo. Nós nos chamamos de "trio terrível".' 

Hermie, o narrador e protagonista, assim começa a contar sua história, definindo perfeitamente o espírito do longa. Baseado nas experiências reais do roteirista Herman Raucher, o filme é protagonizado por Jennifer O'Neill e por Gary Grimes, e mostra as aventuras de três adolescentes em uma pequena ilha, durante as descobertas de suas primeiras paixões.


Os três amigos passam seus dias de verão como típicos adolescentes, brincando na praia e falando sobre garotas. Mas, para Hermie, apenas uma mulher importa: A bela Dorothy, uma jovem de 20 e poucos anos, que para seus amigos é basicamente uma velha. Em pleno ano de 1942, sem acesso à modernidades como a internet e até mesmo sem poder conversar sobre um assunto tabu com seus pais, cabia aos rapazes cheios de hormônios satisfazer suas curiosidades sobre sexo através de livros de ciências e trocas de informações com amigos e irmãos mais velhos. Como rapazes virgens, a maioria de suas conversas girava em torno de garotas, beijos, peitos e experiências sexuais. 


Em meio a tentativas de sair com meninas de sua idade e os dias de diversões com seus amigos, Hermie tem a oportunidade de falar com Dorothy, quando a encontra atrapalhada com suas compras no mercado. A moça é casada, porém seu marido está na Guerra, por isso ela acaba se afeiçoando ao rapaz e desenvolvendo uma certa amizade com ele, que sempre tenta se mostrar prestativo e o mais maduro possível, mantendo a esperança de conseguir conquistar seu amor platônico.


O principal mérito do filme é a nostalgia que ele traz, mostrando uma época de inocência e descobertas, obviamente sendo mais relevante para os homens, por se tratar de adolescentes do sexo masculino. Para as mulheres, embora seja um bom filme, fica aquela sensação de como os homens são bobos desde a adolescência, sempre considerando as meninas basicamente como dois pares de peitos a serem apalpados. No entanto, este é, segundo sua esposa, um dos filmes favoritos de ninguém menos que Stanley Kubrick. Outro fator importante do longa, é sua belíssima trilha sonora, composta por Michel Legrand. A música tema é utilizada durante os créditos e nos momentos em que a personagem Dorothy está em cena. 


Baseado em fatos reais, alguns críticos discutem a veracidade dos acontecimentos, pois na história os três adolescentes assistem o filme A Estranha Passageira, obviamente no verão de 42, no entanto o longa estrelado por Bette Davis estreou apenas em outubro deste ano. Segundo Herman Raucher, sua intenção ao mostrar sua história ao público era uma forma de homenagear seu amigo Oscy, que morreu no dia de seu aniversário de 24 anos. No entanto, enquanto escrevia, ele percebeu que o foco do roteiro deveria ser Dorothy, a fascinante jovem que ele conheceu neste período, e que nunca mais havia visto desde então. Ao contrário do que acontece geralmente, foi o filme que deu origem ao livro.

Se você quiser ter o filme na sua coleção, a Classicline acaba de lança-lo! Clique no nome da loja de sua preferência para adquirir: Livraria da Folha; Fnac

Um pouco sobre Jennifer O'Neill


Nascida no Rio de Janeiro em 1948, a atriz sempre foi apaixonada por cavalos, mas precisou parar de montar após sofrer um grave acidente. Aos 14 anos tentou se matar tomando os comprimidos de sua mãe, o que foi considerado por seus pais uma tentativa de chamar a atenção. Aos 15 anos começou uma bem-sucedida carreira como modelo, e estreou como atriz no filme Um Homem Para Ivy (For Love of Ivy, 1968). Apesar do pequeno papel, chamou a atenção do grande Howard Hawks e conseguiu uma ótima oportunidade de atuar ao lado de John Wayne em Rio Lobo, de 1970. Sua promissora carreira atingiu o auge ao ser escolhida como protagonista de Verão de 42 (Summer of' 42), que a tornou conhecida internacionalmente. No entanto, apesar do sucesso do longa, a atriz nunca mais conseguiu bons papéis, aparecendo apenas em produções pouco aclamadas pela crítica. Entretanto, sua carreira como modelo continuava fluindo muito bem, tendo conseguido ser a garota-propaganda da marca Cover Girl mesmo após seus 30 anos, numa época em que a maioria das modelos não passava dos 25.


Apesar da fama de Elizabeth Taylor, Jennifer casou-se ainda mais vezes do que Liz, subindo ao altar 9 vezes com 8 maridos diferentes. A atriz e modelo escreveu em 1999 sua autobiografia, intitulada 'Surviving Myself', sendo autora de 8 livros, além de ser palentrante motivacional num grupo de mulheres cristãs. Em sua biografia ela relata sua cura do câncer, o ferimento a bala que sofreu, feito por ela mesma, sem querer, a superação da depressão, a culpa de ter feito um aborto, sua vida como cristã e além do abuso sexual sofrido por sua filha, e do uso de drogas de um de seus filhos.

O final de Verão de 42 - Com Spoilers


Na parte final, Hermie encontra Dorothy arrasada com a descoberta da morte de seu marido. Transtornada, a jovem dança com o adolescente e o rapaz acaba perdendo sua virgindade naquela noite. No dia seguinte, ele acha uma carta da moça se desculpando pelo ocorrido e desejando-lhe uma boa vida. Segundo Herman Raucher, Dorothy estava bastante alcoolizada quando ele a encontrou, e parecia fora de si, o chamando pelo nome de seu marido. Herman nunca mais soube nada sobre após este dia e passou por um período de depressão por não saber mais de sua amada, além de procurar namorar sempre meninas com seu nome durante um tempo. Embora alguns falem que houve um ato de pedofilia, o roteirista descarta completamente o fato. A verdade é que, na minha visão, chega a ser surpreendente as pessoas romantizarem essa história, tendo em vista que o único fato que ameniza a situação é que se trata de um jovem de apenas 15 anos e apaixonado, porque a moça estava completamente vulnerável, sem saber o que estava fazendo, bêbada e em choque, e ele não teria a oportunidade de fazer sexo com ela jamais, não fosse por esse acontecimento. Após o lançamento do filme, Herman recebeu milhares de cartas de mulheres dizendo serem a verdadeira Dorothy, mas apenas uma ele afirma acreditar ser realmente dela. Na carta, ela se desculpa novamente e diz esperar não ter causado danos psicológicos ao rapaz, além de contar que se casou novamente e que já era avó.

'Eu nunca mais voltaria a vê-la. Nem saberia o que aconteceu com ela. Nós éramos diferentes então. As crianças eram diferentes. Levava mais tempo para entender as coisas que sentíamos. A vida é composta de pequenas idas e vindas. E para tudo que levamos conosco, há sempre algo que deixamos para trás. No verão de 42, invadimos a estação da Guarda Costeira quatro vezes, vimos cinco filmes e tivemos nove dias de chuva. Benji quebrou seu relógio, Oscy desistiu da gaita, e de uma maneira muito especial, eu perdi Hermie para sempre.'

O filme ganhou uma continuação dois anos depois, chamada 'Class of '44', mostrando a vida dos três amigos durante a graduação na escola, focando-se novamente nas pequenas aventuras tão importantes na adolescência.


Comentários

Postagens mais visitadas