Planeta Fantástico (La Planète Sauvage, 1973)


Ao contrário das animações que estamos acostumados, como as da Disney e Pixar, Planeta Fantástico é uma distopia com ares psicodélicos e estranhos, abordando temas mais profundos, como o racismo e o especismo, ao retratar a convivência entre os seres do planeta Ygam, refletindo às relações dos humanos entre si e até mesmo dos homens com os animais. A Guerra Fria, que ocorria na época do lançamento do filme, também é um tema que pode ser encontrado na história.


Uma distopia se caracteriza fundamentalmente como uma forma de crítica social, retratando um futuro próximo de maneira carregada de negativismo, onde a sociedade se mostra corrompida e dominada por um poder opressivo e tirano. Um dos maiores exemplos do gênero é o clássico '1984', escrito por George Orwell, e que virou filme no exato ano de 1984. (Clique aqui para ler a resenha)


O filme se passa em um futuro distante, no planeta Ygam, onde seres gigantes e azuis chamados Draags fazem parte de uma sociedade evoluída e tecnicamente avançada. Os seres humanos, que receberam o nome de Oms (em referência à homme, que significa homem em francês), foram trazidos da Terra e são tratados como animais de estimação pelos Draags. Alguns Oms vivem no deserto e muitas vezes acabam sendo abatidos para que exista um controle da espécie.


Um pequeno órfão Om é encontrado por um dos líderes Draags, o Mestre Sinh, e por sua filha Tiva, sendo adotado por ela. Ele recebe o nome de Terr e é criado por sua dona com bastante amor, no entanto sem deixar de ser considerado inferior, como um animal de estimação. Após alguns anos, Tiva perde um pouco do interesse em Terr, já crescido e tendo obtido bastante conhecimento do mundo dos Draags. Ele foge para o deserto, onde encontra outros de sua espécie. Após perceberem que os Draags pretender exterminar os Oms, eles decidem se unir para tentar se salvar.


O filme é frequentemente comparado a outros clássicos, como O Planeta dos Macacos e As Viagens de Gulliver. O dvd foi lançado este mês pela distribuidora Obras-Primas do Cinema, contendo como extras: Dois curtas-metragens do diretor René Laloux em parceria com o ilustrador Roland Topor: Os Caracóis - 1966 (11 min.) e Les Temps Morts - 1965 (9 min.); "Laloux sauvage", documentário sobre Laloux (26 min.); Episódio do programa de televisão francês "Italiques" (53min.); Entrevista com Topor de 1973 (3 min.), Trailer Original (2 min.). Para comprar, clique nos links: Livraria da Folha; Saraiva. Assista ao trailer:


Postagens mais visitadas deste blog

O filho que Alain Delon abortou

8 atores que se suicidaram

20 Funko Pops de filmes pra você se apaixonar