Nunca Deixei de Te Amar (Never Say Goodbye, 1956)


Embora estrelado por Rock Hudson no auge de sua popularidade, o filme é injustamente desconhecido por grande parte do público nos dias de hoje. Confesso, um pouco envergonhada, que eu mesma ignorava sua existência, no entanto me surpreendi positivamente ao assistir o longa, que mistura drama e romance, além de uma linda fotografia, que retrata com perfeição a nostalgia da era de ouro de Hollywood. Cornell Borchers e George Sanders completam o elenco principal.


A história começa nos anos 50, mostrando a pacata vida do Dr. Michael Parker, um pai solteiro que vive em uma típica e adorável casa do subúrbio americano com sua filha Suzy. Os dois mantêm uma relação muito próxima e basicamente cultuam a imagem da já falecida Lisa Gosting, esposa de Michael e mãe de Suzy, com direito a um altar dedicado à ela. Durante uma viagem de trabalho para a Europa, Michael vai com amigos a um clube noturno, onde se depara com uma bela pianista. Ao reconhece-lo, a jovem sai correndo aturdida e acaba sendo atropelada por um carro.


A misteriosa mulher é levada ao hospital e devidamente tratada pelos médicos do local e pelo próprio Michael, que revela aos presentes que ela é, na verdade, sua esposa, dada como morta anos atrás. A partir daí, somos levados através de um flashback ao momento em que o casal se conheceu, durante o período da Guerra, quando o jovem doutor, ainda um iniciante, servia seu país na Áustria. Lisa tocava piano em uma casa de show, na companhia do amigo Victor, um caricaturista que se apresentava no lugar. Ao torcer o pé, a moça é socorrida por Michael e os dois logo se apaixonam, iniciando assim um romance. Algum tempo depois, eles se casam em uma cerimônia simples e ficam ainda mais felizes com a chegada de sua primeira filha. Apesar de se amarem, o rapaz se mostra um marido bastante ciumento e possessivo, esperando que a anteriormente independente Lisa se tornasse apenas uma dona de casa, dedicada ao marido e aos filhos.

A PARTIR DAQUI, PODE CONTER SPOILER


Embora Lisa tenha parado de trabalhar fora e lhe seja fiel, Michael sempre desconfia de sua amizade com Victor, frequentemente fazendo acusações sobre os dois. Por ser um período difícil, em decorrência da Guerra, o casal começa a passar por uma crise financeira. Quando descobre, ao escutar fofocas da vizinhança, que sua esposa se encontra todas as terças e sextas com um homem na esquina de um restaurante, o rapaz fica furioso e, sem dar nenhuma chance de Lisa se explicar, afirma que sabe de seu caso com Victor. Magoada e ofendida, ela sai para espairecer e quando volta para casa encontra apenas um bilhete do marido, dizendo que foi embora com Suzy. Desesperada, ela decide pedir ajuda ao pai, que mora na parte ocupada pelos soviéticos. Para seu enorme azar, a fronteira é fechada exatamente no mesmo dia, impedindo que ela possa voltar ao local onde mora. Ao tentar escapar ilegalmente, os dois são levados para a prisão, sem que nenhum de seus familiares possa ser avisado. Ao mesmo tempo, o arrependido Michael volta para casa na esperança de fazer as pazes com a esposa, mas não a encontra em lugar nenhum. Após semanas de busca, ele é aconselhado a voltar para a América e desistir de achar Lisa, que assim como seu pai já deve estar morta. Antes de retornar ao seu país de origem, ele ainda descobre que os tais encontros que causaram a briga entre os dois, eram na realidade aulas particulares para um senhor cego, no intuito de ajudar na renda da família.


Neste ponto, somos redirecionados para o 'período atual', do início do filme. Michael voltou para os EUA, onde criou sua filha e nunca mais havia tido notícias da esposa até a fatídica noite em questão. Já se recuperando, a fragilizada Lisa recebe a proposta de morar com o (ex) marido, ao menos por um tempo, para ter contato com Suzy. Ela aceita, com a condição de se relacionar apenas com a filha. No entanto, as coisas não são tão simples, já que eles escolhem a pior maneira possível de apresenta-la para a menina. Pensando evitar um choque, ao saber de repente que a mãe está viva, os dois decidem contar que se casaram, fazendo com que Suzy, que idolatrava a imagem da mãe, se revolte contra sua 'nova madrasta'. Mesmo tentando dizer a verdade, a relação entre as duas é péssima, pois a menina não acredita na história. Apenas com a ajuda do sempre presente Victor e da ameaça de perder para sempre Lisa em sua vida, é que Suzy percebe que sua mãe está realmente de volta.

FIM DOS SPOILERS 

Uma das curiosidades do longa é a presença de um desconhecido Clint Eastwood, em uma participação minúscula, que pode ser vista no vídeo abaixo, a partir dos 20 segundos.


O filme foi lançado pela Classicline e pode ser encontrado nas melhores lojas do ramo. Clique nos nomes das lojas para comprar: Saraiva; Cultura.

Postagens mais visitadas