Sobre atrizes e relacionamentos abusivos - Parte I

Por definição, a palavra abusivo significa 'Aquilo que constitui abuso, extrapolação de direitos; Contrário às regras, às leis, à justiça; excessivo'.  Ao contrário do que muitos pensam, um relacionamento abusivo não é qualificado apenas quando existem casos de estupro ou agressão física. A violência psicológica é extremamente comum neste tipo de relação, havendo todo tipo de tentativa de ataque moral e de controle sobre cada movimento da pessoa. Iludidos pela falsa imagem de glamour passada através de sorrisos e publicidades, acreditamos que as vidas dos artistas eram repletas de perfeição e riqueza, ignorando o fato de que até mesmo as maiores deusas do cinema precisaram enfrentar um problema que apenas agora vem sendo combatido de maneira aberta.

Para não ficar muito extensa, esta matéria será dividida em algumas partes. Confira abaixo alguns casos:

Hedy Lamarr


Antes de ir para Hollywood, onde tornou-se conhecida como a mulher mais linda do mundo, Hedy Lamarr precisou se disfarçar de criada para fugir do controle de seu primeiro marido. Em 1933, então com 18 anos, a jovem Hedwig casou-se com o comerciante de armas e munições Friedrich Mandl, de 33 anos. Considerado o terceiro homem mais rico da Áustria, não só flertava com o fascismo como mantinha relações comerciais com Benito Mussolini e Adolf Hitler, que chegaram a participar das luxuosas festas na residência do casal. Entusiasta de novas tecnologias militares, Mandl muitas vezes levava sua esposa às suas reuniões de negócios. Foi nesta época que ela descobriu seu interesse científico, que alguns anos depois a faria inventar o sistema utilizado nos dias de hoje em dispositivos sem fio, através de sinais de rádio. Mas este já é um assunto para outro artigo! Descrito como um legítimo tirano, Friedrich Mandl fazia de tudo para impedir a carreira cinematográfica da jovem aspirante a atriz com quem se casara. Após sua aparição no filme Êxtase (1933), onde podia ser vista com os seios expostos e protagonizando a primeira cena de orgasmo da história do cinema, Mandl fez todo o possível para comprar todas as cópias do longa espalhadas pela Europa e passou a manter a esposa prisioneira em sua própria casa, tendo permissão para sair apenas se estivesse acompanhada por um criado de sua confiança. Tendo cada passo controlado pelo marido, Hedy começou aos poucos a planejar sua fuga. Certa noite, convenceu seu esposo a deixa-la usar uma enorme quantidade de jóias durante um jantar. Nesta mesma oportunidade, conseguiu drogar uma das criadas que lhe vigiava, vestiu-se como uma empregadas da mansão e fugiu, com destino a Paris, onde conseguiu divorciar-se, em 1937. Em sua autobiografia, Lamarr escreveu 'Eu sabia desde muito cedo que nunca poderia ser uma atriz enquanto fosse sua esposa .. Ele era o monarca absoluto em seu casamento .. Eu era como uma boneca. Eu era como uma coisa, algum objeto de arte que tinha que ser guardado - e preso - sem mente, sem vida própria.'

Hedy com Friedrich Mandl

Gloria Swanson


Um ano após contracenarem em Sweedie Goes to College (1915), a jovem atriz de 17 anos Gloria Swanson casou-se com seu colega de elenco Wallace Beery, de 30. Boêmio e com um fraco para bebidas, o ator encantou-se pela adolescente e manteve-se um cavalheiro até o dia da cerimônia. O conto de fadas perdeu seu encanto mais rápido do que Gloria poderia imaginar, em plena lua de mel. Em sua autobiografia, 'Swanson on Swanson' ela descreve em detalhes o ocorrido: 'Eu estava escovando meus cabelos quando ele entrou no quarto. Ele me deu uma olhada que fez com que eu me afastasse, mas ele não disse nada. Então ele apagou a luz e na escuridão me puxou para ele. Eu dei em tom de brincadeira uma ordem para parar que eu pensei que o faria rir. Ainda assim ele não disse nada. Ele me virou e me empurrou para trás até eu cair na cama. Ele caiu ao meu lado, e não havia nada de romântico sobre a maneira como ele começou a repetir que eu estava deixando-o louco. Ele estava empurrando as mãos sobre mim e puxando minha camisola até eu ouvi-la rasgar. Eu implorei a ele para parar, esperar, acender a luz. Sua barba estava raspando em minha pele e eu sentia o cheio do seu hálito. Ele continuava repetindo coisas obscenas e fazendo avanços com a mão e a língua enquanto ele girava o corpo e arrancava desajeitadamente os botões dele e tirava suas roupas. Então ele forçou meu corpo a se posicionar e começou a me machucar, me machucar terrivelmente. Eu não conseguia suportar. Pedi-lhe para parar, para me ouvir e, finalmente, quando não aguentei mais, gritei.Ele me disse para ficar calada, não para acordar todo o hotel, e ele disse isso com uma voz de conspiração calma e imunda. A dor tornou-se tão grande que pensei que devia estar morrendo. Não pude me mover pela dor. Quando ele finalmente se afastou, eu podia sentir sangue em todos os lugares.' Apesar disso, ela ainda tentou manter o casamento por um tempo e ficou imensamente feliz ao descobrir que estava grávida. Beery convenceu a esposa a tomar uma medicação enganando-a sobre os motivos e sem revelar que tratava-se de um remédio abortivo. Após este segundo golpe, Gloria decidiu deixar o marido, porém o divórcio só foi oficializado em 1919.

Ava Gardner


Uma das mulheres mais bonitas do cinema, Ava Gardner notoriamente tinha um dedo podre para homens. Embora tenha tido muitos amores, a bela sempre teve relacionamentos turbulentos e repletos de brigas e traições. Após seu primeiro casamento, com o ator Mickey Rooney, Ava estava pronta para subir novamente ao altar, desta vez com o músico Artie Shaw, em 1945. Apesar de sua exuberante aparência, a atriz ainda mantinha muitas características de sua origem humilde, comportando-se muitas vezes como uma típica menina do interior da Carolina do Norte. A educação simples e os modos pouco refinados de sua esposa irritavam profundamente o culto Artie Shaw. Ele não fazia questão alguma de esconder seu desprezo e a obrigou a aprender xadrez e dedicar-se à leitura de grandes clássicos. Para manter seu casamento, Ava tentou até mesmo aprender economia. Os padrões de Shaw eram bastante elevados! Certa vez, ao flagra-la lendo o best-seller da época, 'Entre o Amor e o Pecado', fez um verdadeiro escândalo, afirmando que mulher sua não lia aquelas porcarias. Ironicamente, pouco tempo após a separação do casal, Artie casou-se novamente e adivinha com quem? Kathleen Winsor, a autora do livro em questão! Sobre a união, ela afirmou 'Ele costumava me derrubar tanto que perdi totalmente a confiança em mim mesma. Eu insisti em fazer um teste de QI porque ele me convenceu de que eu era completamente estúpida'. Mas foi ao lado do ator George C. Scott que a diva viveu momentos de verdadeira tensão. Os dois iniciaram um romance durante as filmagens de 'A Bíblia... No Início', em 1966, mas o vício em bebidas de Scott logo o tornou violento. Suas agressões eram constantes e a atriz chegava no set de gravações de óculos escuros para esconder as marcas. John Huston chegou a contratar um guarda-costas para protege-la. Gardner sempre acabava perdoando Scott, que se mostrava arrependido no dia seguinte. Durante os muitos términos do casal, o ator a perseguia e muitas vezes a agredia. Em uma ocasião, no Hotel Savoy, Ava e seu assistente tiveram que se trancar no banheiro para fugir de sua fúria. Quando voltou para Los Angeles, a situação já estava insustentável e a estrela recorreu a Frank Sinatra, de quem já havia se divorciado anos antes, pedindo-lhe ajuda para livrar-se das investidas de George C. Scott.

Rita Hayworth

Rita com seu pai

Filha de Eduardo Cansino, a jovem Margarita Carmen Cansino cresceu no meio artístico, aprendendo a dançar desde a infância, fazendo dupla nos palcos com seu pai. Ainda criança, era instruída a utilizar roupas provocantes e maquiagens pesadas para fazer suas apresentações. Apesar de trabalhar arduamente durante a infância e a adolescência como dançarina, Margarita encontrava sua maior fonte de esgotamento em sua própria casa, tendo que conviver com os abusos psicológicos e sexuais cometidos por seu próprio pai, fato mantido em segredo por grande parte de sua vida.


Em 1937, aos 18 anos, a jovem latino-americana se casou com o negociante de automóveis Eddie Judson, de 41 anos. Ao se deparar com a bela moça que tornara-se sua esposa, ele enxergou o potencial para um grande investimento que lhe traria rios de dinheiro. Outrora morena, com feições fortes e cabelos escuros, a jovem foi submetida a inúmeros tratamentos estéticos, dentre eles a dolorosa eletrólise capilar para aumentar-lhe a testa, e uma rinoplastia para afinar o nariz. Suas madeixas foram pintadas de ruivo, assim como sua pele fora clareada o máximo possível. Mas o processo rumo ao estrelato não se limitava apenas a mudanças no visual. Ser bonita não era o bastante, era preciso ter os contatos certos! Para isso, Judson não poupava esforços. Ao encontrar quem pudesse ajudar a promover-la em sua carreira, ele rapidamente negociava, oferecendo em troca da oportunidade de um trabalho ou de alguma publicidade uma noite com sua esposa. Isso mesmo, o famoso teste do sofá! Ameaçada de agressões físicas e até de desfiguração, e acreditando não ser capaz de cuidar de si mesma sozinha, Margarita aceitava ser vendida aos figurões em troca de promoção. Não demorou para um dos chefões da Columbia, Harry Cohn, encantar-se com a bela, dando-lhe uma oportunidade em um papel secundário no filme Paraíso Infernal, ao lado de Cary Grant e Jean Arthur, em 1939. Começava a surgir Rita Hayworth.