Saindo um pouco de Hollywood: Trilogia de Apu


Muita gente acaba se prendendo excessivamente ao cinema americano e, por consequência, perde oportunidades incríveis de apreciar excelentes obras-primas feitas em outros países. É o caso da Trilogia de Apu, do grande cineasta Satyajit Ray, considerada por críticos do mundo inteiro uma das maiores realizações já feitas pelo cinema indiano.

O aclamado diretor da trilogia

Apesar do cinema indiano ser bastante associado ao estilo efusivo de Bollywood, sempre colorido e com danças, a trilogia nada tem a ver com essas características, que muitas vezes acabam deturpando a essência do cinema indiano. 


O primeiro filme da trilogia é A Canção da Estrada (Pather Panchali, 1955) e conta a história do pequeno Apu, que vive com sua família em condições bem precárias. Cada um tenta do seu jeito amenizar a miséria. O pai viaja em busca de melhores condições para os filhos, a mãe trabalha e a irmã faz pequeno roubos. O filme intercala os sofrimentos e tragédias na vida do menino, como a morte de sua irmã, com belíssimas cenas, que nos surpreendem com a intensidade e a maneira poética que são utilizadas para demonstrar determinados acontecimentos.


O filme demorou cinco anos para ser finalizado, devido à falta de recursos financeiros, felizmente resolvidos graças ao financiamento do governo de Bengala. O sucesso decorrente do longa, fez com que o diretor se tornasse reconhecido e pudesse dar continuidade à saga de Apu e também se dedicar aos seus outros projetos.


Aparajito, em Portugal intitulado O Invencível, é o segundo filme da trilogia e foi lançado em 1956. O longa continua acompanhando a trajetória de Apu, desta vez já crescido, um adolescente que sonha em estudar e se tornar escritor, indo para Calcutá e deixando a mãe em sua cidade natal. 


O terceiro e último filme recebeu o nome de O Mundo de Apu (Apur Sansar, 1959) e mostra Apu já como um homem, com os conflitos naturais da vida adulta, como a pressão da sociedade com a obrigação de se casar. 


É preciso parabenizar a distribuidora Obras-Primas do Cinema pelo excelente lançamento da trilogia no Brasil, não só por trazer os filmes em si, mas pela qualidade e pelo cuidado com o material. Lançado em digistack e contendo mais de três horas de extras, incluindo entrevistas com o diretor Satyajit Ray, entrevista com os atores Soumitra Chatterjee, Sharmila Tagore e Shampa Srivastava; documentários, dentre outras coisas. Se quiser saber mais e comprar, clique aqui.


Postagens mais visitadas deste blog

O filho que Alain Delon abortou

8 atores que se suicidaram

20 Funko Pops de filmes pra você se apaixonar