Olivia de Havilland X Joan Fontaine

Um pouco sobre a famosa rivalidade entre as irmãs, do ponto de vista de Joan Fontaine, retirada do site dailymail.co


Olivia Mary de Havilland e Joan de Beauvoir de Havilland, nasceram em Tóquio - Olivia em 1 de Julho de 1916, e Joan em 22 de outubro de 1917 - são as filhas de pais ingleses.

Segundo Joan, Olivia ainda era jovem demais para aceitar a chegada de uma concorrente pelo afeto de seus pais. 'Seu horóscopo sugere que Olivia teria se saído melhor como filha única. Ela sempre acreditou na regra de primogenitura'.


O pai das irmãs, Walter de Havilland, era filho de um pastor. Nascido em Lewisham, South-East London, foi criado em Guernsey, e tornou-se um advogado de patentes em Tóquio, onde constantemente usava os serviços sexuais de gueixas em Yoshiwara, distrito da luz vermelha, o que fez com que sua esposa, e mãe das duas meninas, Lilian Ruse, se divorciasse dele, em 1919.

Pelo fato de Joan ser uma criança doente, Lilian e suas filhas mudaram-se para a Califórnia, onde ela se casou novamente com o gerente de uma loja de departamento, George Fontaine, um disciplinador severo que não era nada querido por suas duas novas enteadas.


Olivia, como editora de uma revista da escola, organizou um concurso para eleger as melhores últimas palavras e testamentos entre seus colegas. Ela ganhou sua própria competição com as palavras: 'Deixo para minha irmã a capacidade de ganhar o coração dos rapazes, que ela não possui atualmente'.

Joan certa vez disse: 'Eu lamento não lembrar de um ato de bondade dela durante toda a minha infância. 'Ela lembrou que, em julho de 1933, quando ela tinha 15 anos, "Olivia me jogou contra as pedras da borda da piscina, pulou em cima de mim, e fraturei a clavícula'.

Foto das irmãs em 1945, via

Quando a carreira de Olivia em Hollywood decolou, Joan, alegadamente, desenvolveu um 'complexo de Cinderela' e via a si mesma como 'uma serva'. A mãe, Lillian, forçou Joan a mudar seu nome para Fontaine, para evitar que ela se aproveitasse da fama de Olivia, e proibiu-a de aceitar um contrato com a Warner Bros, 'porque esse é o estúdio de Olivia'.

Como as duas garotas transformaram-se em mulheres atraentes, sua rivalidade aumentou com a disputa de pretendentes. Errol Flynn, co-estrela de Olivia em uma série de filmes, tinha certeza de que ela estava apaixonada por ele - embora ela sempre tenha insistido que nada aconteceu entre eles. 

Olivia com Errol Flynn, via

Mesmo assim, Joan era mordaz sobre a devoção da irmã com Flynn. Nas palavras de seu biógrafo Charles Higham: 'Ela viu através Flynn e percebeu que ele não valia nada. Ela não tinha respeito por Olivia sobre este assunto e fez de seus sentimentos conhecidos.

Por seu lado, Joan foi a primeiro a se casar - com o astro do cinema britânico, bonito e popular, Brian Aherne. Mais uma vez, porém, a ocasião apenas aumentou a rivalidade entre elas. 

Na noite antes do casamento, o namorado de Olivia - bilionário Howard Hughes - dançou com a futura noiva, Joan, e tentou convencê-la a desistir do casamento, dizendo que queria se casar com ela.

Joan, chocada com sua duplicidade, disse para Olivia, com consequências inevitáveis ​​para seu próprio relacionamento com a irmã.


Mas foi na sua vida profissional que o desconforto entre as duas irmãs realmente cresceu. Joan, ansiosa para ganhar o papel de Melanie em E o Vento Levou, foi considerada 'muito chique'! Melanie deve ser uma menina simples do sul.

'E a minha irmã?' disse Joan, uma pergunta que influenciou diretamente para Olivia ganhar o papel, uma dívida com Joan ela se ressentia.

Olivia, por sua vez, tinha tentado ganhar o papel da segunda Mrs de Winter em Rebecca, mas o diretor Alfred Hitchcock escolheu Joan. Ambas as irmãs foram indicado ao Oscar, em categorias diferentes, Olivia por E o Vento Levou, e Joan por Rebecca.

Nenhuma das duas ganhou. Em 1942, no entanto, ambas encontraram-se competindo pelo Oscar de Melhor Atriz, Joan por Suspeita, Olivia por A Porta de Ouro. Joan foi anunciada como o vencedora.

Mais tarde, ela disse: "Eu congelei. Eu olhei do outro lado da mesa, onde Olivia estava sentada. 'Levante-se!', Ela sussurrou imperativamente. 'E agora, o que eu tinha feito?'

'Tudo que eu havia sentido quando criança, os jogos selvagens, o dia que Olivia me fez fraturar a clavícula, tudo voltou correndo em imagens caleidoscópicas. Minha paralisia era total.'

'Eu senti Olivia pularia do outro lado da mesa e me agarraria pelos cabelos. Eu me senti cm quatro anos, sendo confrontada por minha irmã mais velha. Droga, eu tinha provocado sua ira novamente!'

Por sua vez, Olivia pensou: 'Eu perdi prestígio com a minha irmã', e era verdade. Ela tornou-se arrogante depois disso.


Em 1946, a situação se inverteu quando foi Olivia a ganhadora do Oscar, por Só Resta Uma Lágrima. 

Joan relembrou: 'Depois que Olivia fez seu discurso, eu fui parabeniza-la, como eu teria feito com qualquer um dos vencedores.  Ela deu uma olhada para mim, ignorou a minha mão, agarrou o Oscar e se afastou.'


Ocasionalmente, uma rara trégua foi dada. Em 1961, as irmãs passaram o Natal juntas em Nova Iorque, no apartamento de Joan. Será que a reunião iria se repetir? Ela disse que 'haveria um ligeiro problema de temperamento. Na verdade, seria maior do que Hiroshima'.

Mesmo muito tempo depois de suas carreiras terem atingido o auge, a rivalidade e os ressentimentos mesquinhos continuaram. Em 1969, a rica Joan recebeu um pedido de ajuda de Olivia, agora divorciada e vivendo em Paris como a esposa do editor do Paris Match, Pierre Galante.
Joan descobriu que Olivia estava doente. 'Ela estava em ambas as dificuldades financeira e conjugal, e encontrava-se com dificuldade de pagar suas contas. Eu, então, deixou um cheque bem grande,
que ela logo foi capaz de pagar.


Mas a ruptura final entre as irmãs veio em fevereiro de 1975, quando sua mãe morreu de câncer.

'Eu não fui convidado para o funeral', alega Joan. 'Só depois de queimar as linhas de telefone de costa a costa e ameaçar chamar a imprensa para contar toda a história' o funeral foi adiado e Joan e sua filha Debbie autorizadas a participar.

No funeral, as irmãs não falaram uma com a outra. Olivia espalhou um punhado de cinzas. Em seguida, silenciosamente, passou o recipiente para mim. 'Assim eu disse adeus à minha mãe. Quanto a Olivia, eu não tinha palavras realmente'.

A filha de Olivia, Gisele, e seu filho, Benjamin, foram lembrados 'generosamente' na vontade de Lilian. Mas "nem mesmo uma bugiganga" foi deixado para a filha de Joan, Deborah.

Lillian, Joan e Olivia, via

Três anos depois, foi publicada a autobiografia de Joan, No Bed Of Roses, maliciosamente re-intitulada pelo segundo de seus quatro maridos, o produtor de cinema William Dozier, como 'No Word Of Truth' (nenhuma palavra de verdade).

Ela apresentou um retrato venal de Olivia, que dizem ter considerado o livro como "venenoso". No 50º aniversário do Oscar, em 1979, Olivia e Joan tiveram que ser colocadas em lados extremos opostos do palco. Do lado de fora, no corredor, as irmãs passaram sem se olhar.

Dez anos mais tarde, no 60º aniversário do Oscar, elas encontraram-se em quartos adjacentes do hotel em Beverly Hills. Joan pediu para mudar de quarto.

Joan Fontaine faleceu em 2013, sem nunca ter se reconciliado com sua irmã. Olivia de Havilland. Segundo sites de notícia, Olivia disse estar chocada e entristecida pela morte da irmã. Ela vive em Paris desde os anos 50 e está com 98 anos.

Postagens mais visitadas deste blog

O filho que Alain Delon abortou

8 atores que se suicidaram

20 Funko Pops de filmes pra você se apaixonar